domingo, 31 de julho de 2016

Despedida

Foram muitos anos de escrita, poemas, poesias, bobagens, belezas, pequenas tristezas e alegrias. Encerro por aqui meu pequeno blog, fica aqui o registro daquilo que vivi, sonhei, amei e escrevi. Novos projetos serão concretizados aí nos próximos anos, décadas como um site para a divulgação da arte e talvez dos poemas se eu tiver vontade e coragem. Pretendo me dedicar agora a escrever e ilustrar uma série de livros para crianças e concretizar meus projetos malucos de animação, teorias de arte e poesia em sintonia e de realizar algumas obras de animação com músicas clássicas brasileiras. Agradeço a todos aqueles que pousaram por aqui. Meu muito obrigada a todos que leram, viram e escutaram esse espaço.

 * fim

*Em breve posto o meu novo site recheado de novidades!

*enquanto não faço meu site estarei publicando meus desenhos no: www.desenhosluizamaciel.blogspot.com

Tenham ótimos dias!*

terça-feira, 5 de julho de 2016

Poema para se libertar do tempo

te abraçar infinitamente 
como se amanhã não houvesse
te amar no tempo presente
sem medo do amor acabar
te fazer dançar em sorrisos
não se importar com o tempo
que passou, que passa, que vai passar
deixar estar o amor onde está
não te incomodar mais com a palavra amor
deixar ser o silêncio do jeito que deve
em silenciosa poesia de esperança 
no silêncio que jaz nos olhos

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Carta aos meus amigos de jornada

Diz-se da fábrica de criar Arte que ela não se faz sozinha e é composta de sonhadores com tempo para amar letras, pincéis ou qualquer outro instrumento de fazer arte ao se conectar com rabiscos, notas, paisagens, músicas, frases, parágrafos, narrativas. Algo que só quem não se deixa levar pelo cansaço mundano consegue realizar. Talvez tenha um cansaço diferente, único. Daqueles que só os artistas conseguem ser. Um cansaço e um sonhar ser mais por dentro, mas apenas se declarando em arte somente, criador daquilo que insiste em ser vivo mesmo através de uma pequena imensidão que insiste em girar por dentro até encontrar seu lugar fora de si. Onde a arte encontrará seu espaço para ser. Aquele sonho que um dia era agora jaz na arte que brota daquele que sonhou, esperançou em arte sua liberdade de sonhar. Existem também aqueles que expressam tão somente a essência daquilo que falta ou daquilo que transborda na forma de amor. Estes ganharão um universo na palma de suas mãos, talvez não saberão conduzir pelo cansaço ou daqueles que saberão escutarão desse universo aquilo que precisa ser gerado.

Todos somos artistas na vida buscando nosso espaço para ser e gerar a nossa mais bela obra de arte: o amor. Não aquele amor mesquinho, não aquele amor egoísta, mas aquele amor puro que somente se multiplicará quando entendermos o que é amar.

E amar é gerar amor seja qual for a forma de amor de sua preferência...é tudo um encontro sublime e até quando achamos que estamos terrivelmente em solidão profunda estaremos com certeza terrivelmente acompanhados de amigos tão amados. Somente o perdão nos ensinará o caminho do amor, o rumo para Amar. O perdão que inicia sua jornada em si e se espalhará até a última gota de amor, que se verdadeiro será para sempre infinita. Pois o amor este é elixir em infinitude, mas precisa de ser direcionado, dirigido ao que nos elevará à eterna conexão do Amor. A pegadinha é que cada qual amará segundo a sua evolução, ao seu entendimento, a sua vibração. O atalho é elevar o pensamento, inserir hábitos de elevação (ler, orar, estudar, escutar tudo aquilo que nos elevará). Pois então eis a deixa, deixo que agora se faça a vontade da consciência de cada qual em sua jornada evolutiva.

Da tua sempre amiga
 LM

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Aquela árvore

Aquela árvore que beijou a fotografia beijou os olhos do fotógrafo e beijará ainda quem quiser ser beijado ao olhar seu ser através de uma fotografia. Assim também é a vida somente receberemos aquilo que estivermos prontos para doar! Só é possível receber amor quando estamos aptos a percebê-lo nos ínfimos detalhes do mundo, imensidões ínfimas que revelam a força de nos fazer sorrir! É tudo um esforço constante para nos fazer sentir a graça que é existir! Até nas lágrimas reside essa misteriosa música que a vida quer nos oferecer constantemente. Basta estar presente! O ar, o sangue, o som, a dança da vida em constante gestação. A ti também em constante gestar de pensamentos solar, lunar ou a amar a capacidade maravilhosa de pensar e elevar-se ao sublime toque da vida no coração. Coração que bate incessantemente sua pequena grandiosa oração da vida em constante gestação.   



terça-feira, 12 de abril de 2016

Na poesia do sol

O sol é um Senhor de imensidões em raios para acordarem as sombras e revelarem seus doces mistérios indecifráveis. O Sol é essa luz que nos oferece calor e nos toma de poesia a alma descortinando o que antes era escuridão. O sol é esse gigantesco ser em sintonia com o mundo que só é mundo visto pelo raio de sol que nasce e ilumina cada partícula. O sol é esse ser que nasce de dia e se põe à noite enamorando-se da poesia atrás de um luar. E a lua irradia seu brilho cada vez que o sol oferece de si um bocado da sua luz. A luz do sol que aquece e nos oferta com exatidão a visão de um olhar. O que antes era escuridão, hoje já pode ser visto sob a luz irradiante de um mar em plena sinergia com o sol. Ofuscando olhares em direção ao amor. O sol é esse senhor de toda a luz que nos oferece a consciência. É preciso infinitamente agradece-lo para que não nos pare de iluminar. É preciso agradece-lo para que não esqueçamos que somos iluminados por ele a todo instante e inclusive mesmo nos dias das maiores escuridões. Essas que as vezes nos deixam em mudez de querer sempre mais, de sermos ingratos por tudo que temos, por tudo que somos, por tudo que Deus nos oferece a todo instante em forma de poesia, arte, música, encontro ou amor. Mesmo que seja aquele amor pequenino, aquele amor quase imperceptível em forma de um pequeno zumbido de pernilongo chatinho, este não deixará de ser amor.   

sexta-feira, 1 de abril de 2016

As Bailarinas



Quando sou feliz sinto as bailarinas dançarem pelo coração. Toda densidade transforma-se em leveza, toda crítica em liberdade e no final elas e eu inventamos os passos da dança em sincronia com cada sentimento, amor, luz, emoção. As bailarinas renovam, inovam, curam e cicatrizam toda ferida aberta. Enquanto sou feliz acredito nos amores, nos sonhos, nos sorrisos, em despertares da alma, em instantes luzidios e na dança de cada momento. Enquanto sou feliz as bailarinas dançam suavemente pelo coração.


 (2010)

Permita (2010)

Permita que o dia te trague um pouco de luz
e que a escuridão te proteja do demasiado do sol.

Permita que os versos sejam claros e simples
que o dia seja de coração, que a noite te adore,
que a madrugada te sonhe 
e que o sol possa nascer no teu olhar.

Permita que a poesia escute mais de quem diz
da essencia dos mares, do perfume do sol,
do silêncio do olhar e da ternura do amor.

Permita que te chegue puro e simples
como onda que repercute no mar,
como semente que brota viva no ar,
como estrada que anseia por chegar.

Permita que ame, que chore, que sinta.
Permita que seja.



*escrito em 2010, repetido hoje porque sim é preciso