quinta-feira, 12 de outubro de 2017

poeminha cego

sem palavras
para onde iremos quando
o caminho estreitar?
e o que o tempo quer de mim
que tantas voltas dá no mesmo lugar?
ou será que eu só enxergo
a parte que me cabe enxergar?
eu, você e esse luar
você só pra mim nesse lugar
e o silêncio?
ah o silêncio...
é aprender a escutar

*

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Semente de Moringa

(semente de Moringa - imagem do Mercado Livre)

ultimamente o tempo tem me dito 
para te oferecer uma semente de Moringa
sabe a vida deixa de pesar nos ombros
e é possível fluir
deixar tudo ser o que é, o que são, o que somos
para ser também junto inteiramente ainda incompleto
e é assim que somos juntos
te convido a experimentar
uma semente de Moringa
da árvore da vida na barriga


*tem no Mercado Livre e não eu não vendo, só recomendo (é só procurar)

Um cheiro!

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Da inútil fuga

eu peco pelo excesso de palavras
mas aprendi a abominar o silêncio 
desde cedo
não vou com a cara daquele filho da mãe 
silêncio o caramba
tudo menos aquele imbecil
que não sabe falar
que me fita descarado, tarado
não sabe falar não nem sim nem talvez
vai olhar a mãe 
para de me encher o saco
vai ver se eu tô na esquina
e ele ali continua intacto
como se fosse o dono do mundo
eu não aprendi a escutar esse fdp
mistério então nem morta
vai fazer suspense pra tua mãe
duplo sinal? tô fora!
indireta? Vai passear!
preciso de barulho
e olha ele aí de novo
como se fosse dono do pedaço
entra onde não é convidado
e encerra esse poema
o filho da mãe
...


segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Poema da rosa em prosa

201º Desafio Poético com Imagens Tânia Regina Contreiras - IV Ano: 

Poema da rosa em prosa

rosa em prosa
cai a noite e entrosa
no fogo, na chama
a labareda inflama
despetala, alquimia
gama em poesia
rosa do peito
versa sem jeito
rosa em brasa
rosa incendiada
arde em chamas
lava a estrada
no fogo da madrugada
lava e gama
naquele que te ama


sábado, 30 de setembro de 2017

Poema para preencher algum vazio

não que eu seja alguém
e essas palavras possam significar algo
ou quem sabe preencher algum vazio
caído já no esquecimento de qualquer abismo
mas tu sabes da minha ternura
já te disse muitas vezes
e infelizmente essa ainda me consome
desde acordada até a hora de dormir
por ti meu mundo gira
ultimamente não tenho te dito muito
o silêncio tem sido meu cobertor
as palavras tem sido escassas
mas estou sempre aqui sem que me vejas
sem que me saibas
em silêncio te amo
sempre que posso mando-te um pedaço de mim 
para cobrir-te nas noites frias 
ainda que seja insuficiente
é tudo que tenho para te oferecer
meu coração despedaçado 
não me permite te perder
ainda que eu nunca tenha te encontrado
ainda que nunca tenhas me amado


*

Poema a sorrir para a morte



estive a pensar na necessária distância 
daquilo que quer se separar de nós
e apesar de não querermos essa separação 
de nos agarrarmos ao vazio, ao inútil, ao nada
é preciso deixa-lo ir de tempos em tempos
e de tempos em tempos nos despedir
ainda que as palavras não se bastem
para comunicar o intraduzível 
e nossa presença já não resulte algo 
qualquer palavra obsoleta cairá no vazio
já ninguém escuta a vibração do silêncio 
as vezes nem mesmo a ausência 
nos fará escutar aquele que se foi
há dias que nem mesmo nos escutamos
como quando a música deixa de tocar 
nossos obsoletos corações 
como quando qualquer poema deixa de nos tocar
como quando temos a certeza da morte
que ela já nos bate na porta
e a qualquer momento pode nos levar
como quando se ri 
daquele que quer nos matar sem piedade
um riso leve, solto, inútil
e o mundo continua a girar