quinta-feira, 23 de março de 2017

Poema para espantar gavião


meu bem não vou brincar de gato e rato contigo
estou velha demais para isso
cresci e amadureci rápido demais
e até já tenho cabelos brancos
depois de muito espernear
cá estou
já quase nada me tira do eixo
não sou Cinderela nem princesa que beija o sapo
aquela outra lá que conheceste já era
não existe mais a pobre coitadinha
sou mullher com "M" maiúsculo
não abaixo a cabeça e não corro atrás de ninguém
não admito desaforos, falta de respeito
quem me rejeitou talvez se arrependa no futuro
enfim não importa
eu não simpatizo com gente assim
estou velha demais para joguinhos de gente vazia
já me nascem os cabelos brancos
meu objetivo é outro
e a poesia é quem me guia
eu vou onde meu coração me leva
já fui cuspida demais por gaviões
e respeito é palavra indispensável no meu dicionário
tanto que virei Fênix
sou Ogra também se eu quiser
tanto faz meu bem
porque meu objetivo é outro
e a poesia é quem me guia
a arte é quem me chama



*





quarta-feira, 22 de março de 2017

Diálogo com o silêncio enquanto não falas comigo II

por gentileza verse comigo
é que o silêncio me é insuportável
e ele sabe me torturar
não nasci para o silêncio 
eu quero uma porta que me abra
um novo mundo
um disco voador 
que me leve para outra galáxia 
já que esta está a me irritar
com tanta morte, violência, corrupção
quero falar com alienígenas
tocar as estrelas
gritar no espaço para ninguém me ouvir
quero engolir as pílulas da felicidade
e ficar gargalhando para o nada
até adormecer
quero parar com a síndrome da Cinderela 
e mandar o príncipe para aquele lugar
e se não gostou vai pastar

segunda-feira, 20 de março de 2017

Diálogo com o silêncio enquanto não falas comigo

enquanto não falas comigo 
converso com o silêncio 
que me corresponde sempre 
a medida de mim 

ele me compreende 
tão completamente 
que qualquer palavra 
é excesso excelso 

é que nenhuma palavra 
nos será suficiente 
nada nos salva meu bem 
é cada um por si

eu quis te dar a mão
mas você quis cair
então caia e crie asas
um dia voltaremos para a casa


(Luiza Maciel Nogueira)



sábado, 25 de fevereiro de 2017

Poema de quando eu te era




Eu era tu.
Eu era ele.
Eu fui um pedaço de todo mundo
e todo mundo me era.
Senti coisas não minhas
paisagens do outro que não me era.
Sedenta do outro
quis ser ninguém.
Tive sede de mim.
Ele era meu refresco
para eu fugir de mim
e nessa fuga me encontrei.



(desafio poético com imagens celebrando 4 anos criado por TaniaContreiras Arteterapeuta)

Imagem: de Alice Wellinger




quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Poema de quando a poesia beija a música

quando a poesia beija a música 
o pássaro se preenche de notas
nasce a poesia
e o amor prevalece
acima de todos os absurdos
que um dia irão embora
porque só o amor é infinito
o resto é resto e será levado para longe
sem perdão, sem lamento, sem demora
absurdos tantos, vários, inúmeros
estes dançam em toda parte 
a parir mais absurdos,
mas nada resistirá ao amor
e quem souber disso
terá em si todas as forças  
para sorrir, para amar, para cantar

para levar em toda parte 
um pedaço da infinitude

 

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Poema da chuva em nós



chove todos os dias dentro de nós 
sempre após 
enquanto o tempo nos sorri 
inteiro, intacto, nos antevê 
como a carregar um pedaço 
da viva esfera do mundo 
a rodopiar em abraços 
e ciclos repentinos de luz 
em gotículas de embriaguez 

 é luz que jorra quando 
entra o silêncio de uma multidão 
ou a parte bela ínfima de uma imensidão 
prestes a cantar sua canção 
são pássaros, flores, borboletas 
e tantas notas a navegar no coração 
a oferecer um pequeno silêncio 
para brotar inspiração


*