domingo, 18 de outubro de 2009

Dias

Esses dias cheios de caos ainda vão encher o céu de lindos cometas.

Ao anoitecer a mínima luz se sobressai na escuridão. É preciso dizer das estrelas que permanecem iluminando o nosso caminho. Pessoas luz que vão em frente, sempre a frente do pensamento mesquinho e limitado que nos habituamos. É preciso lembrar e acreditar numa vida ou numa morte transcendental. Não há loucura nisso, pela primeira vez uma verdade: é a fé que salva, ela que “move montanhas”. Sabe o tempo vai passando e vamos apenas caminhando, mas é preciso voar alto e longe. Decolar como almas livres do medo, respeitar as coisas vivas, nos unir em um manto de amor. É preciso rir ao tropeçar e deixar ser serenamente o riso. Secretamente amar o som, as pessoas, as nuvens, a natureza e principalmente se apaixonar pelo caminho. Passo após passo, é preciso sentir cada detalhe do que nos toca. É preciso aceitar os presentes do universo, deixar a felicidade entrar. Mas também vivenciar a tristeza até o fim, mergulhar na saudade, na dor, na desilusão e aprender sempre. Nem tudo passa, a maioria permanece em forma de lembrança. Não é mentira se acreditas e não é verdade se duvidas. Mas acima de tudo isso existe algo mais, por vezes impossível por agora, mas ao caminhar vamos nos aproximando desse puro, eterno, incondicional amor.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Vibra...

Em breve a garoa vai cobrir toda avenida, escorrerá magia nesse brilho que corre sempre suavemente pela esquina do teu olhar. É pura magia.

Vibra qualquer vida, sentimento, paixão e quem sabe tudo isso seja uma forma pura de amor. E essas gotas na janela pousem apenas pelo encontro, por um momento esperado de união, de plenitude, paixão. Pousar nalgum canto do universo como se fossemos feitos dessa mesma chuva que nos toca a face e nos molha assim de repente. Sabe, sonhei de novo e percebi o quanto amei e também ainda o quanto sou amada pelas gotas que insistem em pousar em minha face. Pode ser loucura, eu sei, mas elas fazem parte de mim, formam todo esse universo que me possui com tanto amor. As vezes basta essa paisagem chuvosa urbana e apenas uma árvore em frente para sonhar. É curioso como tudo tem um sentido próprio permeado pela eternidade.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Tens

Tens areia nos olhos, de maresia, poesia e luz. Tanto querer que se estagna em noites suaves de prosa muda. Quando lhe vejo o mundo parou. O instante da descoberta é toda a maresia do olhar até o beijo de olhos nos olhos. Não importa até quando esperar desde que o amor seja breve. Além de breve há de ser lento, misterioso e dotado de uma paz contagiante. Nada de nervosismos e ansiedades. Quero paz no coração ferido.

Ainda talvez o tempo se vá conosco como um furacão de lembranças. Não penses que agora a vida bastou no sonho. Já lhe disse, a esperança jamais cessa e a lembrança quando doce alucina. Um instante de saudade fascina nesses encontros perdidos em versos, ganho em tristeza, saudade e melancolia. Basta esse aroma a desejo e ternura. Paz amor, sossego e alento. Nada mais.

Talvez apenas um café para acompanhar a solidão.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Esquina da Saudade

Essa estrada vai dar na esquina da saudade, como tantas outras percorrem universos extintos, lembranças vazias do que se perdeu em lágrimas. A cidade inteira caminha como se fosse uma brisa sem memórias mas com tanta chuva beirando uma tempestade avalassadora. Gotas na janela da vitória, a saudade é tanto mais lamento que felicidade. Não sei, mas chove desesperadamente como se tratasse de um milagre. Palavras sem nexo que correm com a liberdade. Deixar sair um rio de emoção perdida, tantos anos segredada. Um sussurro sem luz, nem viagem, um espaço de tristeza sem mais beleza. Sabe o que é bonito me cativa no instante que passa, mas o que é verdadeiro permanece sempre e toda poesia que se repete em novos lábios é a verdade que traduzem na angustia de ser algo e não ser nada. Toda vida sonhei um sonho desesperado de amor, onde a tristeza pudesse ser mero detalhe do amor, mas na verdade que minto é que sei que é de dor que sinto todo mar que me afogou. Melancolia, chuva, saudade e tristeza. Noite escura que insiste num beijo terno nos olhos. Sonhei com alguma luz quase amorosa na vida e que vivia sempre na saudade de um amor qualquer.