terça-feira, 10 de novembro de 2009

Lago Azul

São águas cristalinas na superfície do olhar de azul claro e vibrante. Vida, perfume e lembrança. Não vi escuridão nem monstros na beira, vi tristeza e oração, sorriso e contradição. Um instante sombrio é passado doloroso no buraco negro do coração. Nuvens e saudade fantasiosa, tive a impressão de ter voltado ao horizonte e permanecido o passado intacto com o congelar do tempo. Nada mudou, eu mudei já não misturo os meus pensamentos com ele. Por um fio da paixão sem arder, com pouco carinho mas a querer bem. Não alterei os planetas de órbita e mal consigo sentir a tempestade, mas foi bom o caminho, ainda que o destino não existisse nos braços do nosso encontro trovejei alguma esperança na distancia. Impacto e alguma compreensão, a ternura sem desespero em verdes e azuis celestes, raridade um encontro sem encontrar. Observo toda calma que gira ao redor, o nada circundante e o prazer da realidade sem eco. Inventar palavras de doçura e acidez a borbulhar a intensidade imaginada, foi belo enquanto durou. Ainda não acabou eu sei, mas poderia ser o final de tudo. E acabaríamos em luz serena sem nada mais nada menos que um carinho que ainda permanece silencioso dentro de nós. Um pelo outro e pelo mundo afora...

Nenhum comentário: