segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Flores

São jasmins e lírios em vibração constante
até diria divina sua doce respiração.
Lentamente dança num mundo sem tempo.
Qualquer movimento lhe é fatal,
um simples gesto banal.

Oriental em seus costumes,
pintada de branco e feita de paz!
Riso brando, cauteloso
em encontros desencontrados.
Alma em gestos chuvosos de calma.

Qualquer presente um universo de dúvidas,
desconfio. O tempo, grande palhaço,
guerreiro, ilusionista de memórias,
mentiroso total.

A viagem é sem tempo
nem memória, é estigma
de luz lenta, mas feroz
em viver sempre mais
com aquela dor de oferecer
cada vez mais um pedaço
do coração partido.

Nenhum comentário: