quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Oceano do Tempo

Ondula uma saudade cósmica e sob o luar um perfume a esperança. Olhar oceânico o teu! Que importa essa saudade quando tudo é miragem oceano? Os tais versos nos olhos...abriu-se uma porta ao centro do tempo, esqueci de esquecer o amor. Foi pôr do sol no mar um pouco do que esperei no trovejar de uma música pouca mas suficiente para ser sublime. Um lugar que deverias conhecer de tão leve e transcendental. Lembrei que tem sempre alguém que chama e parece inusitado quando acontece um novo olhar. É o tempo talvez não passe, ele ondula no mar, ele é o próprio mar, mar que ondula no tempo. E qualquer sol faz o mar brilhar. Sol, este belo instante que a luz se põe. Se cada instante fosse uma dança o tempo seria vital e eterno enquanto durasse. Agora a noite cobriu o céu de cometas sob uma paisagem de negro manto. Silencia a noite em versos de luz por amor ao tempo em cada pequenino coração...


Enfim, em breve é Natal...*

Nenhum comentário: