terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Gostar

Gosto daquilo que é transcendente, daquilo que ainda vai mudar. Gosto da esperança, da lembrança e de qualquer olhar. Gosto de sorrisos, de olhares, de gestos, de me apaixonar. Gosto daquilo que é livre para pensar, eu gosto do cheiro doce do jasmim, do formato de um girassol, da ilusão que o lírio pode dar. Gosto do silêncio, das palavras e do grito, daquilo que não tem vergonha de falar. Gosto do podre, do feio, do artista sem preconceito, da vontade que a obra pode dar. Gosto de sorrisos, de sonhos, de massagem, de sexo, eu gosto de homem que tem charme, coragem e respeito. Eu gosto de olhar, de conhecer e de imaginar. Gosto do céu, do mar e do ar. Gosto daquilo que é triste, mas tem potencial para desabrochar. Gosto de poemas, haicais, poesias e sonetos. Eu gosto de me expressar. Gosto de fotografia, de arte e gosto de desenhar. Gosto de pessoas, de animais, de livros, de instrumentos, de vestidos, de sapatos sem salto, de filmes, de quadros e de fotografias. Gosto de simplicidade no coração e certa complexidade no olhar. Gosto daquelas feridas que fazem o acontecer da compreensão da dor do outro. Gosto de música, de piano, de violão, de voz e de canção. Eu gosto de alegria, de amor, de paixão, de sentir e eu gosto de transformar. Eu gosto de quem não gosta de mim, de quem me ama e quem me odeia, eu gosto de apenas gostar. Gosto de apreciar, de viver e às vezes eu gosto muito de pular, dançar, correr e de me movimentar. Gosto de ouvir, de silenciar e de sacudir a poeira para continuar. Gosto de conversar, encontrar, seduzir e consumar. Gosto de desafios, de trabalhar e de me espreguiçar. Gosto da cidade, do campo, da praia, da montanha, da cachoeira, do deserto, do espaço. Eu gosto de qualquer lugar. Gosto de café com leite, de Guaraná e de chá. Gosto de lasanha, de pizza, de batata frita, de pão de queijo, de quinua, de temaki com a pele do salmão, de sorvete, de picolé, de bolo, de musse de chocolate e até de maracujá. E eu gosto de cozinhar. As vezes eu gosto de sumir, de um pouco de solidão e de fugir para outro lugar. Eu gosto de aprender, escrever, viajar, ousar, viver, namorar, me esconder até alguém me achar e quem sabe até decolar.

Mas o que eu gosto mesmo, de verdade é de recomeçar.


(A todos que desejarem escrever também do que gostam envio este desafio! :))

7 comentários:

Paula disse...

É bom gostar. É bom estar apaixonada. É bom partilhar. É bom escrever. É bom ler-te.

(:

Por momentos fiquei tentada a fazer um texto assim com os meus próprios gostos

A Magia da Noite disse...

gostar de tudo isso já é bastante, mas gostar do silêncio é querer estar distante.

Luiza M. Nogueira disse...

Paula: Obrigada, por favor fa,ca, depois quero ler tbm o teu texto! ;)

Magia: Cada um entende a sua maneira o silêncio, seja na distância ou na proximidade. Eu gosto do silêncio dos pensamentos e de paz nesse meu coracão partido. :)

Novembro_ disse...

E a verdade é pura e me impressiona. Lindo texto, belas palavras! Tenha uma boa tarde, beijos

Bárbara Fiz disse...

Olá !
Mas que blog lindo !
Sabe que antes de chegar ao final de seu texto "gostar"
me deu uma vontadezinha de produzir um com meus gostos ...

Acho que um dia desses farei um ...
principalmente dedicar ao meu marido
que vive dizendo que nunca sabe do que eu gosto de verdade.

Um abraço

Luiza M. Nogueira disse...

Novembro: Obrigada, mas a verdade esta por aiii. Bom dia. Beijos!

Luiza M. Nogueira disse...

Bárbara: Obrigada, fique a vontade para escrever depois quero ler. Fa,ca para ti principalmente! :) Beijos