Música!

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Vendaval de Luz

Primeiro não entenda, deixa o não entendimento fazer parte da vida. As certezas são escassas e o amor só sobrevive quando se deixa ser livre. Não vim falar de amor, nem de dor, nem de nada. Vim por vir e escrever para escrever, revelar algum nada ao coração. Na falta do que escrever, no livre pensamento sem censura. Se amei não sei, nunca se sabe de nada ao certo, sentir talvez sinta e talvez nada. Inventar é a mentira mais verdade de quem vive. Ser devia ser simples, mas nunca se é simples tem sempre alguma complexidade que soma uma responsabilidade de ser. A morte deve ser passagem para o desconhecido de mim, quem serei depois? Talvez uma alma livre. Quem sabe de repente o que a vida não ensinou a morte ensine a ser um pouco de Luz. A dúvida sempre foi amiga dos loucos e inimiga de quem quer agarrar certezas. Minha vida inteira foi uma dúvida cruel que já não sinto sofrer com pontos de interrogações na cabeça. Não é por não os ter, mas por deixar a dúvida ser o que ela é que caminho tranquila da vida entre pontos de interrogações. Não precisar de uma resposta ou de uma verdade é o que eu chamo de tranqüilidade. Tenho sorte. Sorte é saber-se minúscula no imenso universo. Sorte é passar por nós um vendaval de luz e esquecer de todo mal assim de repente.

4 comentários:

Ana disse...

Tens mesmo muita sorte!

beijo

Ana

Os teus olhos dizem mais que palavras disse...

Acho q o mal ñ se esqueçe ou se apaga, mesmo com a luz, mas a simples ideia da luminosidade plena pode trazr bastante calma e paz para resolver as tais "coisas más"! :)


Beijinho

O Profeta disse...

Chove bem no meio do mar
São de fogo as manhãs na ilha
A seda púrpura é lençol de amantes
Os olhos roubam a virtude à maravilha

Enchi a taça com absinto
Ergui o braço, toquei uma nuvem carmim
Ensaiei um passo de dança 
Senti que os pássaros riam de mim

Senti o resto da geada em descalços pés
Calei minha viola de dois corações
Deixei entrar no peito o tamborilar de perdidas gotas
Senti o sabor sal das minhas emoções


Convido-te a partilhar a outra metade


Mágico beijo

Luiza M. Nogueira disse...

Ana: Sim, sim! E tu também! Bj.

Os teus olhos...: Que nome grande. O mal se resolve, se apaga e derrete e solidififica e desaparece segundo a nossa vontade de viver e a nossa vontade de esquecer e a nossa disponibilidade de deixar ser! :) A imaginação é a senhora do tempo, da luz e do impossível. Verdades prontas eu não quero, inventar sim (Um pouco de Clarice Lispector). bj.

Profeta: Mágico beijo!