sexta-feira, 1 de abril de 2016

Permita (2010)

Permita que o dia te trague um pouco de luz
e que a escuridão te proteja do demasiado do sol.

Permita que os versos sejam claros e simples
que o dia seja de coração, que a noite te adore,
que a madrugada te sonhe 
e que o sol possa nascer no teu olhar.

Permita que a poesia escute mais de quem diz
da essencia dos mares, do perfume do sol,
do silêncio do olhar e da ternura do amor.

Permita que te chegue puro e simples
como onda que repercute no mar,
como semente que brota viva no ar,
como estrada que anseia por chegar.

Permita que ame, que chore, que sinta.
Permita que seja.



*escrito em 2010, repetido hoje porque sim é preciso

10 comentários:

A Magia da Noite disse...

com todo o prazer, permitir-se sentir é deixar tudo acontecer.

Assis Freitas disse...

permita-me todos os adjetivos do belo,

beijo

Luiza Maciel Nogueira disse...

A Magia da Noite: E que bom deixar a vida ser, permitir-se ser tocado. Beijos.

Assis Freitas: Obrigada Assis, essa é talvez uma canção em uma nota só. Abraço.

Ribeiro Pedreira disse...

"beber o suco de muitas frutas, o doce e o amargo indistintamente. beber o possível, sugar o seio da impossibilidade..."

Luiza Maciel Nogueira disse...

Ribeiro Pedreira: beber o que vier da vida, mas com a cautela de não desperdiçar na barriga a impossibilidade. ;)

um beijo.

nydia bonetti disse...

versos claros e simples - os meus preferidos. amo este som oriental, luiza. beijoos.

Luiza Maciel Nogueira disse...

Nydia: tbm adoro esse som. :) bjs.

█► JOTA ENE ◄█ disse...

ººº
Gostei do que li...

Luiza Maciel Nogueira disse...

Jota: obrigada. bj.

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Luiza.

É preciso permitir e permitir-se tantas vezes, daí a necessidade de repetir hoje e, talvez amanhã também ;)
Bonita forma de incentivo a "que a poesia escute mais de quem diz".
abç amg