Música!

domingo, 4 de julho de 2010

Endereços

1.
Permita que saia de mansinho de qualquer lugar e percorra o céu sem me achar. Que este dia seja apenas mais um dia em meio a tantos outros. Que não veja mais do que caminhos tortos. Permita que anoiteça e sem pensar em nada. Que possa recomeçar, tirar o vício do sangue, calejar o instante. Permita que especial sejam as pessoas tortas e seus caminhos tortos. Permita que o cima seja embaixo e o embaixo seja lá em cima, que nada seja mais correto ou mais bonito e que tudo se destaque ou seja tedioso demais para olhar. Permita que anoiteçam os dias, que tudo se converta em oceano e a água seja toda feita de inovadora esperança.

2.
A verdade amor é que parei. Parei de querer florecer mais. É que eu vi que não adianta sofrer. E que sofrer é pra quem ainda não aprendeu a deixar. Deixar o tempo morrer. É certo que já amei cada mistério que não quis desvendar, por medo. Por medo de amar, mas garanto que não jogo fora. É que de tanto esperar, ansiar adormeci pra sempre sem ti. É que de tanto, de tanto voltar esqueci. Esqueci.

3.
Jà reparou que o oceano não tem fim, que o universo vai se multiplicando cada vez mais e que as estrelas que consagramos sempre já se foram há muito tempo? É que somos por demasiado passados, livros que se abrem quando lêem. Lembrei, lembrei de uma máxima, essa é antiga, daquelas que sabemos todos, mas que tem que ter alguém tonto para dizer o óbvio. Temos livros nos olhos. E cada livro, já dizia alguém sensível, cada livro é um universo. 

2 comentários:

A Magia da Noite disse...

e cada um de nós várias galáxias em plena expansão.

Luiza Maciel Nogueira disse...

:)