quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Gracejo maluco

(Café - por Luiza Maciel Nogueira) - jan/08




pouco importa o quanto
de tanto faz os passatempos
de graça a poesia vem
sem querer num susto de repente invade 
depois é melhor voar distante
não se acorrentar ao desespero
sorver o dia inteiro, dizer jamais
sempre e quem sabe ainda
os conflitos se resolverão
na prosa ou até no silêncio
do verso final




8 comentários:

Aninha disse...

silente verso final esse, lindo! beijo amiga querida.

AC disse...

"os conflitos se resolverão
na prosa ou até no silêncio
do verso final"

Podem resolver-se ou não, mas, no mínimo, ficarão apaziguados...

Beijo :)

Tiago Moralles disse...

Um ponto a cada novo final.

Rafael Castellar das Neves disse...

Pera aí...ainda tô pensando nisso tudo...gostei, mas tô pensando...

bjo..

José Carlos Brandão disse...

"no silêncio
do verso final"

Pra que mais?

Beijo.

AC Rangel disse...

...sem querer a poesia vem pra nos livrar do tédio e desespero até o verso final...

beijo
Rangel

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

poemas que me falam de tempo me são caros

Úrsula Avner disse...

sensibilidade na escrita e nos desenhos grafados... Obrigada pelo carinho. Um abraço.