Música!

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Poema desejo




1. Ânsia

sorvi sem saber
da eternidade que pulsava
na ânsia das nossas mãos
à espera do retorno,
da ternura e do silêncio


2. Insensatez

os delírios clamam
por insensatez no sabor
em uma pétala de céu
inebrio a noite enluarada
sem a lucidez da gota
a tremeluzir na escuridão
profunda de um beijo



3. Lábios

nos lábios do desejo
dançam labaredas
em ritmos pautados
garoa, doce perfume
a delícia das carícias
na maciez da pele 
o início do amor




10 comentários:

Ribeiro Pedreira disse...

ânsia insensata nos lábios, nas mãos que percorrem peles ao sabor do perfume da noite.
bjs!

Assis Freitas disse...

gostei da tríade, pujança de versos


beijo

Lara Amaral disse...

Sua ânsia me remoeu... Essa sua tríade poética é a das mais lindas que já vi.

Beijos.

F. Otavio M. Silva disse...

Diferente sua contrução. ficou muito bom o texto. Parabens.

F. Otavio M. Silva disse...

Diferente sua contrução. ficou muito bom o texto. Parabens.

F. Otavio M. Silva disse...

Diferente sua construção. ficou muito bom o texto. Parabens.

José Carlos Brandão disse...

Delicado desenrolar da história do desejo - ou do amor, por que não?
Beijos.

Fred Caju disse...

A palavra se sente bem por aqui. Tenha certeza.

AC disse...

A ternura, a carícia, o desejo, a partilha...

Beijo :)

Juan Moravagine Carneiro disse...

Delirios que se materializam em nossos sonhos e que escorregam pelo cotidiano duante a noite...

Vc é incrível

abraço