Música!

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Tem poema

(Preto Livre - por Luiza Maciel Nogueira)




Tem poema safado, poema ousado, poema acabado. Tem poeta perdido e tem poema achado. Tem poema de amor, poema de dor, poema de luz, poema de sombra e poesia de abrigo. Tem poema ferido. Tem poema triste. Tem poema saudoso, poema de louco e tem poema caduco, poema mal visto. Tem poema chato, poema de mato, poema de rouco e tem poesia de gago. Tem poema cego, poema lúcido, poema normal. Tem poesia dos olhos e tem poeta astuto. Tem poema delicado. Tem poema singelo. Tem poema porrada e poesia de guerra, tem poeta brigão, poeta porreiro, poeta pião e poeta barbeiro. Tem poema livre e solto e tem também poema preso, tem poeta travado e poeta arteiro. Tem poema calado, tem poema falado, tem poema abandonado e poeta solitário. Tem poema pedaço, tem poema inteiro, tem verso danado e poeta faceiro. Tem poema desastrado que dança o dia inteiro, tem poema ventania que canta melodias. Tem poema de partida e poema de chegada. Tem poema de instante e poesia de morada. Tem poema semente, poema árvore, poema flor e poema de fruto. Tem poema de criança, poema adolescente e poema mais velho. Tem poema que brota e poema que cresce, poema que desce e poema que sobe. Tem poema que morre e poesia que desaparece. Tem poema sorriso, poema de olhar, tem poema de beijo e poesia de se abraçar. Tem poema sedento e tem poesia alimento. Tem poeta que canta, poeta que foge, poeta que sente, poeta que mente e poeta que explode. Tem poeta que ama, poeta que arde, poeta que morde, poeta que late, poeta que sofre, poeta que sonha e poeta que dormente. Tem poema que é música, poema que é nota, poesia que pia e poesia acorde. Tem poema que grita, poema que rima, poema que é baixo, poesia que sussurra, e poeta músico. Tem poesia que afoga, poesia que acorda, poesia que assusta e poesia suporte. Tem poema terno, tem poema bigode, tem poema corpo e poesia sacode. Tem poema preguiçoso, poema rapidinho, poema fajuto, poema sozinho. Tem poema concreto, poema delírio, tem poema imaginativo, poema expulso e poema bem vindo. Tem poema porta, poema janela, tem poema lençol e poesia encoberta. Tem poema esfarelado, tem poema enluarado, tem poema emaranhado e poema enamorado. Tem poema erótico, poema pueril, poema maldoso e poema gentil. Tem poema solar, poema escuro, poema clarão e poema escuso. Tem poema tudo, poema nada, poema mais ou menos, poema dinheiro e poesia de graça. Tem poesia lembrança e poema miragem, tem poema agonia e poema saudade. Tem poema parado, poema fluindo, poema voando, poesia tinindo. Tem poema tantos, poema poucos, poema contente, poema insuficiente. Tem poema reto, poema largo, poema curva, poema traço, poema caminho e poema passo. Tem poema enigma, poema mistério, poema claro e poesia sincera. Tem poema drama, poema comédia, poema trágico, poema aventura, poema ficção, poema realidade, poema maldade, poema crú, poema no ponto e poema passado, poema carcaça, poema sem graça. E tem também poesia feita com o coração, poema vivo e poesia na mão, poema sorrindo.

Tem tanto poema, poeta, poesia...

9 comentários:

Leca disse...

Esta árvore...
ficou linda...
Beijos
Leca

A.S. disse...

Querida,

Neste belissimo preto e branco vejo um arco-iris!!!

BeijOOO
AL

nydia bonetti disse...

Mesmo nas tuas telas mais escuras -há luz! Lindo. Qualquer dia quero ilustrar um dos meus poemas de pássaros com os teus, posso? beijo!

Ribeiro Pedreira disse...

a liberdade é algo que voa mais leve.

Assis Freitas disse...

avassalador o teu poema de tantos, viajei


beijo

Vanessa Souza Moraes disse...

Poemas para todos os gostos.

Hilton Valeriano disse...

Que bela série de desenhos Luiza! Maravilhosos!

Marcantonio disse...

Que bom isso, Luiza. Ficou como um sólido muro dos possíveis sentidos poéticos. Não pude deixar de me perguntar onde eu me encaixaria neste amplo espectro. Rs.

Beijo.

Augusto César de Alencar disse...

Tem poema de tudo que é tipo...tem até poema que não é poema!!... =)