Música!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Água rara III*

(Chuva - por Luiza Maciel Nogueira)



1.

sussurros na mata
adiam o anúncio da chuva
trazem a lágrima do céu azul
brisa gentil, doce perfume
a paisagem seduz os olhos
de água rara, saudosas gotas
o céu cinzento perpassa o tempo


(oceanos ecoam) 



2.

o tempo passa
mas o amor perma
nece
sempre em quem ama
é que a beleza
quando toca é infinda
e o instante carece de ternura
quando os olhos se perdem
no cansaço de uma espera



3.

(água amor)

a raridade de uma gota
envolta de amor

oceanos de desejos
que se desmancham 

mares de esperas
que se cansam

ondas e ondas
de amor






* a série água rara é influência de Vinicius de Moraes e todos os poemas intitulados de "água rara" e os desenhos de gotas é uma homenagem ao grande poeta que canta “A felicidade é como a gota de orvalho numa pétala de flor, brilha tranqüila Depois de leve oscila e cai como uma lágrima de amor.”!




13 comentários:

AC disse...

A linguagem poética também se faz disto, das coisas simples... E como elas adquirem dimensão!

Beijo :)

Luiza Maciel Nogueira disse...

AC: Sim, sim! :) Não sei se vc conseguiu ler depois, porque o poema foi modificado! A dimensão da palavra/sentido/silêncio/x que ecoa em cada um, Beijos!

Zélia Guardiano disse...

Luiza, minha querida
Encanto de poema, unido em casamento perfeito com tua outra arte...
Não bastasse o talento para o fazer literário, ainda brilhas no trabalho plástico...
Demais!!!
Enorme abraço ebeijinhos...

Ana F. disse...

Adoro o diálogo entre suas pinturas e seus poemas!
Eu também te sigo.
Beijo

Ribeiro Pedreira disse...

chuvas de ondas que oscilam entre o amor e a espera. há que esperar a tempestade passar ou sair e banhar-se nas gotas leves de mar.
bjs!

Aninha disse...

Lú, esse mar tem tanta história não é mesmo? Quem te conhece sabe! Bjinhos

Lara Amaral disse...

Tanto a gota que escreves como a que pintas têm a força de uma chuva.

Beijo.

Úrsula Avner disse...

Oi Luiza,

delicado e bonito poema que traz em seus versos os mistério e beleza da chuva. Linda imagem ! Bj.

nydia bonetti disse...

Abençoadas todas as águas... Beijos!

José Carlos Brandão disse...

Água-amor.
Lindo, Luíza.
Que homenagem!

Beijos.

Assis Freitas disse...

água rara para todas as sedes,


beijo

j maria castanho disse...

Eis que murmura água mansa em meu coração sequioso...


a redistribuição da ordem e conhecimento


Era uma vez um escriba escolhido por Inanna no seu coração sagrado
Escolhido na pátria de Gilgamesh por Shara no seu coração sagrado
Escolhido no jardim de Arina por Shara e Inanna e seus corações sagrados
Escriba a que foi confiada a missão de relatar toda a verdade só verdade
Que é o tempo primeiro de todos os tempos e logo seu tempo original
Aquele tempo em que as horas eram só aprendizas das mestras de Shara
E iniciadas e oficiais do Templo de Inanna como do seu coração sagrado.


Se no banquete em honra de Enki Inanna lhe usurpou poderes divinos
Os sete sábios de Eridu viram ser essa a vontade de Arina e a seguiram
Igualmente Enlil guardião do fogo, o ferreiro sem igual de Sippur veio
Uruk tem agora como Bad-tibira a sua forja e centro da ordem do mundo
Eis que os sábios que transmitiram o saber a toda a humanidade imploram
E a três será concedida residência nos Templos de Shara por seis meses
Seis meses passará cada qual em cada um dos seis Templos de Shara
E outro mesmo sucederá com tantos três por cada dos Templos de Inanna
Que igualmente seis desde Uruk a Mari a comprido do reino de Gilgamesh
Mas o sétimo é Enlil ficará sempre no Templo de Arina no zigurate de Uruk
Até que esta o requeira na pira para lhe alimentar o fogo e há-de sarar todos
Há-de sarar conforme os preceitos de Inanna como segundo os de Shara
Porque sendo o sétimo sábio dele é a chave da porta vida e abrirá ou fechará
Enquanto obedecer à ordem do mundo e mais não é do que vontade d'Arina
Cujo mandato foi distribuído por Shara e Inanna sendo essas vontades Suas
Inanna que é a grosa da Lei das Doze Tábuas e logo a multiplica de si para si
E Shara que é a grosa da Lei mas apenas a divide de si pra todas e pra todos
Que só assim cada um será igualmente parte divina e comungar com Arina
Arina é fogo e é afecto e calor de Inanna que é Amor nos cálices de Shara.

Uruk a cidade das deusas e residência das rainhas protegidas e fiéis de Arina
Reino de doze distritos e trinta e seis ensi e cento e quarenta e quatro domínios
Mas de um só en a quem todos e todas veneram e respeitam por Gilgamesh ser
E pagam tributo todos os campos e todas as parcelas pela lei dos doze avos
Conforme o desejam dignitários e dignatárias donos dos campos de lavoura
Conforme o desejam os homens livres e escravos dos campos de subsistência
E assim o quer e acata o chefe de boi e todos os escribas do reino de Uruk.

Assim o querem e acatam os escribas na Eduba entre o Templo alto de Inanna Entre Templo alto de Inanna e o Templo baixo de Shara é a casa das tabuinhas
É Eduba a casa das tabuinhas e escola dos escribas pensativos e jubilosos
Assim o querem Ummia pai da escola e professor especialista sábio desta casa
Especialista em mitos e epopeias, hinos e lamentações, fábulas e provérbios
Director de todos os irmãos grandes ou professores assistentes e vigilantes
De todos os vigilantes e encarregados do chicote e encarregados da presença
De todos os filhos da escola seus pupilos e aprendizes diligentes e esmerados
Que hão-de ser os guardadores das memórias e contadores dos bens de Uruk
Súbditos fiéis dos templos das deusas e rainhas e vassalos de Gilgamesh
Senhor de Uruk e escolhido por Inanna e por Shara e seus corações sagrados.

Marcelo Novaes disse...

Luíza,



Muito belo!


Oceanos ecoam em cada gota. E no céu.






Um beijo.