sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Cecília Meireles

(Jardim de luz - por Luiza Maciel Nogueira)



"Para onde é que vão os versos"

"Para onde é que vão os versos
que às vezes passam por mim
como pássaros libertos?

Deixo-os passar sem captura,
vejo-os seguirem pelo ar
- um outro ar, de outros jardins...

Aonde irão? A que criaturas
se destinam, que os alcançam
para os possuir e amestrar?

De onde vêm? Quem os projeta
como translúcidas setas?
E eu, por que os deixo passar,

como alheias esperanças?"




Ah Cecília!

Essas esperanças que esperam
pela nossa dança!

Tanta chuva já inicia nos olhos
e tudo pelo sorriso, tudo pela dança
do instante mais bonito...

ainda que o tempo passe
todo verso permanece intacto.
A poesia brinca de eternidade.

A beleza um presente infinito...
assim como teu sorriso!




E assim Cecília pensei que os versos vão até o infinito de cada olhar, quando o enquanto encontra o agora...ou seria loucura afirmar tamanha barbaridade? Que o verso voa pelos ares sem morada nem destino, sem resposta nem mistério.  Apenas voa...apenas. Sabe-se lá para onde...




11 comentários:

Aninha disse...

linda, adoro muito teu blog! É de uma preciosidade impressionante e você sabe né que eu te adoro! beijo

AC disse...

Não sei bem quem projecta os versos - embora conjecture - mas sou um dos que tem o prazer de os receber. Contudo não os possuo nem os amestro, deixo que eles se insinuem, que toquem teclas do meu interior. E como eu gosto do seu toque!

Beijo :)

Assis Freitas disse...

Cecília inspirando Luiza, versos se cristalizam no ar


beijo

Fred Caju disse...

Cecília, de certo, gostou. Muito.

Zélia Guardiano disse...

Luiza, querida!
Que encanto de postagem!
Versos flutuando como plumas coloridas...
Adorei, minha amiga!
Abraço todo entremeado de gratidão pela gentil visita que me fizeste...

Vanessa Souza Moraes disse...

Voa, Cecília!

Sônia Brandão disse...

É precioso este teu espaço.

bjs

José Carlos Brandão disse...

"A poesia brinca de eternidade." É sublime essa verdade. Cecília falou muito do efêmero - porque tinha imagens da eternidade a bailarem na sua poesia.
Beijo.

Samarone Barcellos disse...

Gostei do desenho, dos poemas eu sempre gosto, mas dessa vez o desenho me chamou mais a atenção.

Bom domingo señorita. =]

dade amorim disse...

Cecília deve ter ficado encantada, Luíza.
Beijo.

Milene Souto disse...

Sim, os versos voam e um dia alcançam a todos nós...rs. Beijos.