terça-feira, 30 de novembro de 2010

Errante, demasiado humano


- Lembra que...

- Não comece, por favor Helena nem comece. Finge que meus olhos não te viram, que não estou e que nunca fui te ver. É preferível que nos esqueçamos de tudo que nos faz sofrer para abrirmos a porta para a felicidade. Ame quem te ama. Esqueça das boas ações, de amar sem pedir nada em troca. Esqueça! Ame quem te ama. E ponto, pare de querer fazer as pessoas felizes, amar quem não te corresponde. Em primeiro lugar é você! Depois? Depois sim, os outros...


- Lembra do conto de Rubem Alves "Ostra feliz não faz pérola". Eu sempre achei a felicidade fútil - quer dizer enquanto bilhões de pessoas estão miseráveis eu me considero feliz? Mas tudo bem Otávio, dessa vez vou tentar... apesar do que eu sempre achei a "felicidade" uma forma de fingimento, um ideal inalcançável criado pela sociedade, uma fuga da dor. Mas prometo que vou tentar, começar com isso de ser feliz sem pré conceitos...depois te conto se valeu a pena ter renunciado à pérola...





10 comentários:

Mai disse...

Luiza,

teu texto me levou a refletir.
E talvez a existência se inscreva em linhas assim: entre conflitos, anseios e dúvidas... Entre as palavras ditas e inauditas.
E entre a compreensão e a solidão - a vida.
Há vida e nela dores e alegrias.
Guerras e poesia pois sim somos errantes e humanos, demasiadamente - humanos.


um grande abraço, querida.

Assis Freitas disse...

a pérola é um desvio da natureza, donde se conclui que


beijo

Alice disse...

pois, "haverá um dia em que você não haverá de ser feliz (...) você vai rir sem perceber, felicidade é questão de ser

beijo, Luiza

Anônimo disse...

Luiza,
Não creio que seja necessário renunciarmos à perola para sermos felizes, pois os maiores feitos da vida realizamos quando sentimos nossos interiores preenchidos... Mas nós, seres humanos, temos a tendencia de dividir as coisas entre dois extremos, em polos opostos. Sei não, mas talvez o melhor caminho seja o do meio, para que possamos vivenciar a vida de forma mais ampla...

Beijo,
Renato

Ana disse...

ri muito com essa estória, porque afinal eu te conheço!

Beijo

Marcantonio disse...

Essa é uma grande questão: trata-se dos que-stão felizes ou não. Receio que sobre isso não tenhamos muita escolha. Mas sobre a pérola... Ela, afinal, também pode ser um mero brilho.

Beijo.

Runa disse...

Olá, Luiza.

Descobri teu blog, através de um comentário teu num outro blog e resolvi fazer-te uma visita. Espero que não me leves a mal, pois gostei bastante daquilo que aqui vi (textos e desenhos) e, se não te importas, vou-me adicionar aos teus seguidores.

Beijo

AC disse...

Luiza,
A vida é eterno dilema, e as respostas que satisfazem uns nem sempre coincidem com as que satisfazem outros. De qualquer modo, a dignidade está em cada um tentar encontrar a sua resposta...

Beijo :)

Luiza Maciel Nogueira disse...

Runa: mas é claro que pode sob tua contatos e risco querida. Beijo

so sad disse...

e essa al felicidade que anda por ai e se esconder a nós a procura-la, as vezes pensamos te-la e ela escorregadia, foge...

beijo!