Música!

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Pauta de Vida / Pauta Perdida

(Gengibre Vermelho I - por Luiza MN)


(Gengibre Vermelho II - por Luiza MN)


o amor corre 
nos cantos mais diminutos
do coração

a pauta 
dos pássaros, das flores, da vida
tem cheiro de ilha perdida

e apesar dos encantos
nosso canto é sempre lágrima
atirada ao mar 




para Lara Amaral em resposta à poesia em: http://laramaral-teatrodavida.blogspot.com/2010/12/pauta-de-metal.html




* o desenho é de observação das flores do Gengibre Vermelho no jardim em que passei o Natal. Achei que tinha haver com pautas - mas critiquem se acharem que não :). 





Estou Lá no Teatro da Vida

vejam que coisa mais linda os versos de Lara!


aqui: http://laramaral-teatrodavida.blogspot.com/2010/12/pauta-de-metal.html

Embalo



enquanto o carro desliza pelo chão 
a estrada embala o coração
sou toda instante
o ar preenche o amanhecer nos olhos

as árvores correm lá fora
o céu paira entre nuvens
devagar o tempo passa
o coração se deixa embalar

nesse instante aberto
venha viver comigo o despertar
tudo tem seu encaixe amor
a melodia do vento invade o som
o meu sorriso é teu

as árvores continuam a correr
eu continuo a sonhar
faça um esforço amor
mergulhe na essência do instante
deixe a ternura lhe abraçar



quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Sombra de bailarina

(por Luiza MN)


ondula a noite em gestos de amor
sussurrante alguma música sorri
ao invadir o espaço em branco
com as sombras da invisibilidade

linhas dizem não
a escuridão destaca 
a dança da bailarina 
no precipício do instante 
à beira do quase 
sempre ainda 
tão já






quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Luzes na cidade


No reflexo da avenida central
faróis brancos e vermelhos
deslizam no asfalto.
Pequenas luzes em movimento
na noite depois da chuva.
Luz na cidade.

Doçura de lábios em pele iluminada.
Seu sorriso revela alguma tristeza
bem aventurada.
Com a luz da lua na cidade
densa.

Musicada em versos
de amor
até a noite viva
do olhar.



(poema corrigido)



quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

"Tarde de domingo"

(por Luiza MN)


"Tarde quente de domingo
o mundo aguarda
a chegada da noite

Enquanto o tempo se derrete
em vagarosos momentos
apenas o vento aparece
dançando com as nuvens
pintando o céu azul

Mas quando a noite chegar
e sob o cair do luar
o doce cheiro do jasmim se espalhar
é chegada a hora
do mundo se mostrar"




escrito por Renato Nogueira




sábado, 11 de dezembro de 2010

Sombras do sol


(Cinco monotipias - por Marcantonio)


ramos, galhos, estrondos, raios
a luminosidade encontra a sombra
a sombra encontra a luz
opostos se unem
túneis, paisagens, florestas, cidades
riscos de anoitecer
chamas do sol



(poema produzido a partir da
belíssima arte de Marcantonio)


Beijos


(por Luiza MN)



beijo cá beijo lá
a pele desfalece seus encantos
na íntima ternura dos lábios
o corpo sussurra amor








"de tantos instantes
para mim lembrança
as flores de cerejeira.
"



"Extingue-se o dia
mas não o canto
da cotovia"



(Matsuo Bashô)

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Atentamente

(por Luiza MN)



carros deslizam pela rua
enquanto o vento balança nos galhos das árvores

o ritmo do mundo

...

(pulsa)







terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Erros e bloqueios. Amáveis?

(por Luiza MN)



- Estava pensando...: os erros que consideramos defeitos são por vezes adoráveis...como aquela flor furada ou ferida por um pequeno inseto ou aquela estrela preta que já não brilha, mas se forçar a vista verá que um pequeno brilho ainda pulsa...

- Mia, depois de dizer que sou ranzinza, você quer dizer que sou um ranzinza adorável?

- ...que não ligue para as minhas críticas, estamos todos tão cheios de erros nos olhos. Os teus erros dependendo da visão podem ser adoráveis...por exemplo: você um ranzinza adorável ou um surdo de um ouvido só, por que no outro escuta somente orquestras...
é que você sabe né? Por mais que tente colocar defeito, já estou tão contaminada pela poesia de tudo...

Pensou Mia baixinho:

- (...isso infelizmente não faz de mim uma pessoa sem bloqueios)