segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Lugares para ir - Já estive lá

Hoje descobri que estava no dia 29, nesse endereço:


com a mesma imagem também estive aqui:


é incrível como essas meninas escrevem bem!


---------

também estive nesses seguintes endereços:

Silvia Nascimento:
http://fictamors.blogspot.com/2011/01/para-luiza-maciel-nogueira.html

Universo:
http://juniverso.blogspot.com/2010/09/palhaco-luiza-maciel-nogueira.html

Úrsula Avner:
http://pensamentoseolhares.blogspot.com/2010/08/dancante.html
http://pensamentoseolhares.blogspot.com/2010/08/breve-companhia.html
http://pensamentoseolhares.blogspot.com/2010/10/silencio.html
http://pensamentoseolhares.blogspot.com/2010/10/poetrix.html
http://pensamentoseolhares.blogspot.com/2010/10/um-pouco-de-elegia.html
http://pensamentoseolhares.blogspot.com/2010/09/do-que-fomos.html
http://pensamentoseolhares.blogspot.com/2010/09/pseudo-catatonia.html
http://ursulaavner.blogspot.com/2011/01/da-despedida.html
http://ursulaavner.blogspot.com/2010/12/cancao-do-entardecer.html
http://ursulaavner.blogspot.com/2010/11/do-que-esta-velado.html
http://ursulaavner.blogspot.com/2010/09/noitescendo.html
http://ursulaavner.blogspot.com/2010/09/vida-de-uma-lagrima-rondel.html
http://ursulaavner.blogspot.com/2010/08/poema-re-visitado.html
http://poesiasinfantisdeursulaavner.blogspot.com/2010/09/arte-jardins-na-pele-de-luiza-maciel.html
http://poesiasinfantisdeursulaavner.blogspot.com/2010/08/fuga.html

Vanessa Souza Moraes:
http://vemcaluisa.blogspot.com/2010/12/sobre-nuvens-e-quedas-cadernos-de-luisa.html
http://vemcaluisa.blogspot.com/2010/11/jogando-duro-com-o-coracao-gracinha.html

Hsoares:
http://hrsoares.blogspot.com/search/label/Luiza%20Maciel%20Nogueira (2 posts)

Diálogospoéticos:
http://dialogospoeticosimello.blogspot.com/2010/08/desafio-poetico-poema-quadrado.html

Ribeiro Pedreira:
http://ribeiropedreira.blogspot.com/2010/08/pele-osso-e-invencao.html

Hilton Valeriano:
http://poesiadiversidade.blogspot.com/search/label/Luiza%20Maciel%20Nogueira (10 posts)

Marcantonio
http://azultemporario.blogspot.com/2010/11/entram-versos-esses-passaros-nas.html
http://azultemporario.blogspot.com/2010/10/reorientacao.html

Cris de Souza:
http://crisdesouzavalvuladeescape.blogspot.com/2010/11/da-velha-infancia.html
http://crisdesouzavalvuladeescape.blogspot.com/2010/12/florescencia.html
http://crisdesouzavalvuladeescape.blogspot.com/2011/01/clara-mente.html

Laramaral:
http://laramaral-teatrodavida.blogspot.com/search?q=luiza (3 posts)

Fouad Talal
http://fouadtalal.blogspot.com/2010/12/arrebol.html

Fabio Rocha
http://dabusca.blogspot.com/2010/11/citando-luiza.html
http://dabusca.blogspot.com/2010/11/crepusculo.html
http://dabusca.blogspot.com/2010/08/luiza-maciel-nogueira.html

A.C.
http://ac-wwwinterioridade.blogspot.com/2010/11/brilho.html


Se esqueci de algum por favor coloque no comentário sem falta,
fico muito feliz de ser parte desses espaços com os desenhos!

Meus agradecimentos.

Luiza Maciel Nogueira


sábado, 29 de janeiro de 2011

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Inversões do verso




eu minto porque o instante persiste
não sou lebre nem sou alpiste
sou pateta






Uma árvore canta

(Cunha por Luiza MN  - desenho preferido)


No reflexo a brisa 
suave entre as folhas. 
Os galhos respiram ar, 
raios solares do tempo 
e tu que nunca viu, hoje vê.

Ao que não finda, 
ela cresce em tuas mãos, 
mãos de vento.
Canta em tua pele
a ternura da asa
voa voa no azul da paz.

Na face de ti
a paisagem do riso,
o céu nas retinas,
o beijo nos lábios...

(e o silêncio do gesto)

(...)


PS: É em círculos que roda
a poesia...



quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

poema de sopro e uma pequena nota

("te amor" de Judith Lauand resignificado- por Luiza M.N.)



abrigo a nota 
no peito vazio
nasce a dança 
sob a inspiração do riso
arfar a pele
conter o gesto

o corte do silêncio
do sopro úmido 
no poema gota
nasce a flor




quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Lírios de chuva

(Lírios da Chuva por Luiza Maciel Nogueira)



a chuva dos lírios não cessa  
a oração dos sentidos
o que passa e não volta
em ausências de luz
ou qualquer lampejo teu
no olhar do mistério

o toque dos pés 
na ânsia da espera
à procura pelo 
verso impossível
saudade, riso, pranto

(e se for amor 
que seja...)




terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Notas ecoam na pele

(Luiza Maciel Nogueira)


- (...)

- O que você está pensando Mia? Anda tão silenciosa...

- (...)

- Mia? Você está aí?

- Estou sentindo a música Fábio, como você disse...

- Ah sim, mas e as tuas reclamações e pensamentos?

- Foram tirar umas férias de mim. Nós somos feitos de notas Fábio...olha só:

 (Mia sopra, assobia, balança as mãos ao redor do corpo. Depois ri um riso despreocupado, leve.)

- Quer dizer Mia que dentro de mim mora uma orquestra?







segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Cantos e recantos

pela lembrança! Passem lá para ver!



Poema de breviedades fatais



fato breve, leve, terno
no caminho repleto de notas 
o presente é todo passo, 
compasso, ritmo, música

olhos nos olhos, semente de luz
o som da vida e seus encantos
habitam a flor, os beijos do sol 
dança que o olhar enternece

cabe a um poema de breviedades fatais 
dizer rapidamente de fatos extensos
a prosa mede o instante que flui eterno, 
o vento a percorrer as instâncias das palavras 
a poesia abriga magia, beleza, rima, encontros, paisagens
a música confere compasso, ritmo, som
e dentro sussurra todo silêncio de amor 

e depois cabe ao leitor
imaginar as imagens que as palavras sugerem
quando o verso se torna universo
em forma de oração







sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Ir-se

(por LuizaMN)




silêncio

sopra, irrompe, cessa
corta o laço
dentro sussurra
um desejo de caos

ternura 
um beijo
um abraço
uma nota
um afago

agradecer
se despedir
ir-se ir-se
partir

saudar o tempo
em lágrimas
de amor  




quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Dualidades e incógnitas

(por Luiza MN)

veja a sincronia - a mesma imagem com as palavras da Cris: no http://crisdesouzavalvuladeescape.blogspot.com/



- Fale o que quiser Mia, mas cuidado com o que diz, às vezes as pessoas não entendem. Muitos preferem uma mentira. Ninguém merece ter a casa invadida por quem não é bem vindo, não é mesmo? Acho que temos que tomar muito cuidado com o que falamos e com quem falamos - as vezes é melhor nem falar e as vezes não falar ou uma palavra fora do lugar pode ser um trauma para o outro. É complexo Mia. Mas sabe o que eu acho? Faça o que quiser que está ótimo. Temos que confiar no que sentimos também...

- E quando o que se sente é uma grande incógnita Su?



- Então deve ser ouvido mais atentamente até ter um mínimo de confiança Mia. E usar a razão de vez em quando é bom também. 


- Você pensa demais e sente de menos por isso pra você o mundo é tão simples assim. O mundo não é isso aí. O mundo, a vida, tudo é complexo demais para ser explicado. Você tenta encaixar o mundo na tua teoria, mas não é assim. O mundo não se encaixa no mental. O mundo é bem mais do isso. As incógnitas existem sim e acho que algumas sempre existirão...



- Mas Mia a vida não é uma pergunta...é talvez poesia!

- Tem os dois lados que as pessoas separam, mas na verdade é tudo uma coisa só: a realidade crua e nua /e a poesia - ah, mas pra que essa dualidade se tudo vibra igual? A idealização é quando se enxerga o potencial na sua essência da coisa vista o que também faz parte do real oras. E quem vê a podridão da coisa e acha poesia nisso - às vezes perdeu a dualidade. Sabe o tudo é tudo, nada é nada? - é tudo e nada. É o todo nadando no nada. Já perdi o fio da meada...ah sim, como estava dizendo a vida não tem nada de simples, explicável e encaixável, mas a necessidade do homem de um molde para o mundo sempre foi algo que exclui e cria a "loucura" nas pessoas que não se encaixam no tal molde. O molde limita, as pessoas precisam de liberdade - é que algumas não sabem lidar com a falta de chão, com o desconhecido então querem o tal molde para controlar a existência...mas é só uma ilusão. A existência tem asas próprias e foge para fora da caixa quando a gente menos espera...







terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Um minuto apenas


 - É sempre um desencontro o nosso encontro. Não tem palavra que nos diga dessa confusão que vem do coração, desses silêncios desconfortáveis que roçam a espinha e principalmente das palavras sempre tão mal compreendidas. É melhor não falar então - mas então não se tem encontro - se tem "disse não me disse". 

- Será mesmo que as palavras resolvem o encontro Mia? Você não pode de vez em quando apenas sentir olhando nos meus olhos? 

- Eu não sou de ler mentes Fábio, nunca sei o que espera de mim...se porventura espera alguma coisa. 

- Ah Mia deixa disso. Nós somos amigos.

- Somos?



Poema de muitos ãos



todo caos cai no chão
não sem um empurrão

caos caolho
cego pimpolho
mão sem ação
emoção sem razão
confusão

todo dia é dia de paixão
sem chão

e quer saber?
não, não queira!






Poema de enigmas risonhos



porque teus olhos são tão tristes assim
eu sei o mundo não é como sonhava
nem mesmo o vento corre pelas beiradas
a chuva vem quando menos se espera
e o amor não se revela tão fácil assim
é preciso aprender a ver a infinitude dos dias
a passagem do tempo a correr
e esperar a lágrima derramar
porque amor tudo desespera sem encontro
do tempo aguardas apenas um mistério
nada igual, mas tão banal
a pétala da flor macia pelo amor




segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Onda

(por Luiza Maciel Nogueira)




 a onda corre no mar imenso
os peixes saltam na transparência do azul
o sol racha o horizonte com seus raios de luz
nada cessa o tempo que se esvai
os dias passam em paz, nada de reclamações e falsidades
há que passar cada onda de mar
a reverberar, repercutir no azul oceânico do tempo
movimento de vida, a fluidez do instante
enquanto ainda a eternidade não vem





Feliz 2011!!

que muitas flores
brotem em nossos corações

(Rosas - Por LuizaMN)