sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Ir-se

(por LuizaMN)




silêncio

sopra, irrompe, cessa
corta o laço
dentro sussurra
um desejo de caos

ternura 
um beijo
um abraço
uma nota
um afago

agradecer
se despedir
ir-se ir-se
partir

saudar o tempo
em lágrimas
de amor  




11 comentários:

Juci Barros disse...

Silêncio é intimidade.
Beijos.

Valquíria Oliveira Calado disse...

Silencio pode ser tortura, covardia e desprezo, assim foi comigo. beijinhos.

Paulo Becare Henrique disse...

Saber quando e como deixar ir é uma arte.

Fabio Rocha disse...

perfeito, perfeito!!!!

Lara Amaral disse...

Lindo poema, querida!

Beijo.

Alicia disse...

Lágrimas de amor são doces.

Assis Freitas disse...

ir-se: de nem sempre ficar


beijo

Cris de Souza disse...

e eu que volto sem ter ido...

beijo!

JB disse...

Um silêncio vestido de palavras que nos sussurram as memórias do tempo...

Gostei de conhecer os seus poemas e as ilustrações são magníficas!

Beijinho

Vanessa Souza Moraes disse...

O tempo, o tempo, sempre ele.

http://vemcaluisa.blogspot.com/

Fouad Talal disse...

tainha tainha

lembrei de uns versos de adélia, do poema casamento:

"O silêncio de quando nos vimos a primeira vez atravessa a cozinha como um rio profundo. Por fim, os peixes na travessa, vamos dormir.

Coisas prateadas espocam:
somos noivo e noiva."

beijo meu!