terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Poema de muitos ãos



todo caos cai no chão
não sem um empurrão

caos caolho
cego pimpolho
mão sem ação
emoção sem razão
confusão

todo dia é dia de paixão
sem chão

e quer saber?
não, não queira!






3 comentários:

Marcantonio disse...

Ecoarão. Como não querer saber? Vivemos dessa tentação.

Na verdade, pode-se pensar esse seu poema em termos de mitologia grega, Caos, Eros, Anteros...

A visão frontal desse dragão foi muito engenhosa!

Beijo, Luiza.

Assis Freitas disse...

adorei o poema e os dragões, fantásticos


beijo

Cris de Souza disse...

mãos de muita arte...

maravilha, amiga!