segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Lya Luft


(Rosa de aquarela II - Luiza Maciel Nogueira)



"DANÇA LENTA

Não somos nem bons nem maus:
somos tristes. Plantados entre chão
e estrelas, lutamos com sangue,
pedras e paus, sonho
e arte.

Nem vida nem morte:
somos lúcida vertigem,
glória e danação. Somos gente:
dura tarefa.
Com sorte, aqui e ali a ternura
faz parte."

por Lya Luft
(Para não dizer adeus, pg31)


7 comentários:

Fred Caju disse...

Não li Lya, mas aceito como uma sugestão.

Ana SS disse...

com sorte!!!
lindo lindo.

Tania regina Contreiras disse...

Amo a Lya Luft e tenho na memória algumas de suas esparsas pérolas...
Beijo,

CARLA STOPA disse...

Lindo poema...Admirável Lya...

Sandrio cândido. disse...

Oh pesada verdade tão bem descrita no poema acima.

Assis Freitas disse...

tem aqueles versos da Cecília: não sou alegre/ nem sou triste / sou poeta



beijo

Felicidade Clandestina disse...

e o que seria de nós sem a ternura?


beijos!