segunda-feira, 14 de março de 2011

Poema sobre uma cabeça fechada


cabeça fechada
lá não entra mais nada
nem idéia livre,
nem pensamento louco
já não voa, já não muda
nem nada
só entra coisa furada
idéia pronta, velha, gastada
se um pássaro voa lá e é diferente
não olha, não sente, não existe
julga que é errado, demente
não sabe, não sabe,
um dia vai aprender
o chão não existe
é tudo ilusão
e então aquele louco 
na verdade é são



4 comentários:

Sandrio cândido. disse...

são estas cabeças os problemas do mundo.

Suzana Martins disse...

São palavras que viajam pelo mundo...

beijos

Dario B. disse...

Bingo !

Ribeiro Pedreira disse...

voar é não se sentir
abaixo ou acima de louco e são,
de sábio e demente
é sentir-se além dos julgamentos
é ter aberta a cabeça
para saber o que sente