sexta-feira, 18 de março de 2011

Voz serena


(Passarinhos por Luiza Maciel Nogueira)


aposento a palavra
é sempre o traço
que seduz o silêncio
como uma prece sem fim
de íntima saudade
o canto dos pássaros
o toque da chuva
as árvores em dança
o tempo que lento
se despede
também canta 
em segredo




10 comentários:

Jorge Pimenta disse...

cântico silencioso. e, contudo, tão audível...
beijos, luíza!

Assis Freitas disse...

belo exemplar, a palavra que medra mas também exprime,


beijo

Paulo Becare Henrique disse...

Pois nem sempre a palavra precisa ser escrita para continuar sendo palavra.

Noslen ed azuos disse...

belos segredos tens em seus desenhos, lá onde agente se esconde do mundo e vira pássaro.

tenho fotos parrecidas com seus desenhos, bjs
ns

Suzana Martins disse...

O tempo, em segredo, despede-se de mim com uma intima saudade da menina que tinha asas...

Beijos

Úrsula Avner disse...

Que encanto amiga ! Poema e desenho em plena sintonia... Belos versos ilustrados por um belo desenho( como de costume). Esse foi um dos que mais gostei... Grata pela homenagem feita a mim em seu blog com a postagem do link para o Gotinhas de poesias... Bj com carinho.

Lara Amaral disse...

Um pequeno detalhe que salta aos olhos.
Belo!

Beijo.

Ana F. disse...

os silêncios falam diretamente ao coração...

bj

Emoções disse...

O amor é a sabedoria dos loucos e a loucura dos sábios.

Daniel Hiver disse...

Já tive épocas de apresentar palavras... Sólidos argumentos...
Já tive tempos de aposentar as palavras... Prováveis besteiras...
Mas é em silêncio que melhor me sinto, quando alguma tristeza justa ou não me fisga.