Música!

terça-feira, 5 de abril de 2011

Poema Lágrima


(por Luiza Maciel Nogueira)



1. Como a chuva

quando a lágrima
derrama seu corpo
sob a face
é preciso esperar
nascer a dança
(esperança)



2. Lago

renasce 
um lago de ausências 
sob os olhos
reflete a lágrima
o mundo do olhar
enche de mar  
as montanhas da ilha 
(solidão)


3. Nascente

percorre o infinito
lembranças, despedidas, 
angústia, tristeza, ilusão
uma gota cai 
e outra nasce 
sob a face



8 comentários:

Suzana Martins disse...

Porque as lágrimas é uma forma de sentir...

Beijos

Assis Freitas disse...

líquida ação,


beijo

Anônimo disse...

Um pouco triste esse poema.

Tania regina Contreiras disse...

Ah, esa dança depois que as lágrimas vertem! ah!....
Beijos,

Lara Amaral disse...

Essas suas gotinhas tão cheias de significados.

Lindos poemas!

Beijo.

caminhante disse...

esperanto!

Raíz disse...

Que beleza, Luiza!

Esse orvalho sobre a face, está BELÍSSIMO!

Beijos

Mirze

Luiza Maciel Nogueira disse...

Oh muito obrigada caros amigos pelas palavras, vou sorver com gosto cada uma e então que surja o próximo inspirar da vida...beijos.