quarta-feira, 6 de abril de 2011

Poema Mãos


(Estudo das mãos - por Luiza Maciel Nogueira)


1. anseio

por um anseio
pelo breve relato das mãos
ouvi tocar a música
semente que evoca
não é mais que tentação


2. toque

na maciez da pele
o toque das mãos
gesta ternura em beijos
o toque lá e aqui
cria a ação


3. ação

enquanto as mãos
passeiam, vão e voltam
tocam o céu
depois quando chegar sua hora
semente brota
enche o mundo
de cor, música, ilusão
talvez com amor
embora nem sempre
seja possível amar





13 comentários:

Suzana Martins disse...

A pele, o toque, o querer... versos perfeitos de um poema de amor..

Beijos

Anônimo disse...

Lindo!!
A ilustracao e' em grande sintonia com esse lindo poema. Só mesmo uma poetisa para expressar sentimentos com tanta beleza

beijos
Renato

Luiza Maciel Nogueira disse...

Suzana o poema é a tentativa de escrever com amor, mas ele decorre sobre as mãos antes anseio que quer sair depois o toque feito com ternura e o que surge através da ação, na qual brota a semente. Obrigada pelas palavras. Beijos!

Luiza Maciel Nogueira disse...

Renato: obrigada Rê, fico feliz que vc tenha lido e gostado da composição desenho-poema. Beijos!

Assis Freitas disse...

essas tantas mãos lembrou-me o filme A lenda do pianista do mar, sublime os teus cantares


beijo

Luiza Maciel Nogueira disse...

Assis: obrigada Assis, acho que já vi esse filme. Um filme muito bom, bem poético. Um músico prestes a desvendar seus talentos e colocá-los a serviço do mundo.

Beijos!

dade amorim disse...

As mãos são sempre muito inspiradoras, Luíza, e você sabe como dizer isso.
Um beijo grande

Luiza Maciel Nogueira disse...

Dade obrigada por apareceres por aqui e deixar um pouco de si :), é um prazer. bjs

Trupe Comunic(ação) disse...

ÚLTIMA SEMANA PARA SE INSCREVER! - ATÉ SEXTA (08/04)!!!

1º CONCURSO LITERÁRIO DE CONTOS E POESIAS DA TRUPE DE TEATRO COMUNIC(AÇÃO)

Objetivando investigar a utilização de textos não-dramáticos no teatro, continuando a pesquisa que reuniu os atores do projeto, agora patrocinado pelo governo de Angola, a TRUPE DE TEATRO COMUNIC(AÇÃO) promove seu 1º CONCURSO LITERÁRIO DE CONTOS E POESIAS, composto por duas categorias distintas:

a) Contos;

b) Poesias,

o qual será regido pelo seguinte

REGULAMENTO

1. Podem concorrer quaisquer pessoas, desde que os textos inscritos sejam em língua portuguesa. Os trabalhos não precisam ser inéditos e a temática é livre.

2. As inscrições se encerram no dia 08 de abril de 2011. Os trabalhos enviados por e-mail após esta data não serão considerados para efeito do concurso.


3. O limite de cada CONTO é de até 4 (quatro) páginas e o de cada POESIA é de 2 (duas) páginas. Os textos devem ser redigidos em formatação A4, fonte Times, tamanho 12 e espaço 1,5 (entrelinhas). As inscrições devem ser realizadas pela internet, enviando para o e-mail concurso.comunicacao@gmail.com:

a) um arquivo do Word contendo as informações sobre o candidato (ver 5).
b) um arquivo do Word contendo o trabalho (conto ou poesia), formatado como foi descrito anteriormente.
c) um arquivo do Word contendo OUTRO trabalho (conto ou poesia), formatado como foi descrito anteriormente, SE O PARTICIPANTE QUISER CONCORRER COM DOIS TRABALHOS DENTRO DA MESMA CATEGORIA.
d) número do comprovante de depósito referente ao valor de inscrição, no corpo do e-mail; ou cópia escaneada, em anexo, do comprovante de depósito (ver 7).

5. O arquivo de inscrição (separado dos arquivos dos trabalhos), deverá conter os seguintes dados do concorrente:
a) nome completo;
b) nome artístico, com o qual assina a obra e que será divulgado em caso de premiação e/ou publicação;
c) categoria a que concorre;
d) data de nascimento / profissão;
e) endereço completo (com CEP) / e endereço eletrônico (e-mail).

6. Cada concorrente pode realizar quantas inscrições desejar.

7. Para a categoria CONTOS, o valor de cada inscrição é de R$ 30,00 (trinta reais), podendo o autor inscrever até 2 (dois) textos por inscrição. Para a categoria POESIAS, o valor de cada inscrição é de R$ 30,00 (trinta reais) podendo o autor inscrever até 2 (dois) textos por inscrição.
Os valores devem ser depositados no Banco do Brasil, Agência 7009-2, Conta Corrente Nº 42911-2, em favor de RENAN DIAS SANTOS [coordenador do projeto e diretor da Trupe de Teatro Comunic(ação)]

8. Nenhum valor de inscrição será devolvido.

9. Os resultados serão divulgados pelo nosso blog http://concursocomunicacao.blogspot.com/ no dia 09 de maio de 2011 e individualmente, pelo correio, para cada vencedor ou mencionado.

10. Cada Comissão Julgadora será composta por 3 (três) nomes ligados à literatura com reconhecida capacidade artístico-cultural, além de 3 (três) integrantes da Trupe Comunic(ação). Ambas as Comissões podem conceder menções honrosas ou especiais.

11. As decisões das Comissões Julgadoras são irrecorríveis.

12. Para cada Categoria (Contos e Poesias), a premiação será nos seguintes valores:

a) Premiação em dinheiro:

1º lugar: R$ 8.000,00 (oito mil reais);
2º lugar: R$ 5.000,00 (cinco mil reais);
3º lugar: R$ 2.000,00 (dois mil reais).

b) Premiação em passagens:

Todos os vencedores (1º, 2º e 3º lugares) ganharão também passagens, estadia e alimentação, em viagens com a Trupe Comunic(ação) para Angola, na África, em atividades que buscam promover um intercâmbio entre autores de língua portuguesa e uma aproximação do universo literário com as investigações teatrais. Os textos dos vencedores serão utilizados em práticas teatrais, durante os diversos encontros que ocorrerão entre a brasileira Comunic(ação) e o Grupo de Teatro Luar, de Angola, até junho de 2012.

13. A inscrição no presente concurso implica na aceitação plena deste regulamento.

Zélia Guardiano disse...

Lindo demais, Luiza!
As mãos...
Texto e arte divinos, minha querida!
Parabéns!!!
Abraço apertdo...

Luiza Maciel Nogueira disse...

Zélia: obrigada Zélia é sempre bom ler toda essa tua vivacidade em pequenas palavras que fazem toda a diferença!

Beijos

Jorge Pimenta disse...

e por falar de mãos:

Com mãos se faz a paz se faz a guerra.
Com mãos tudo se faz e se desfaz.
Com mãos se faz o poema – e são de terra.
Com mãos se faz a guerra – e são a paz.
Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.
Não são de pedras estas casas mas
de mãos. E estão no fruto e na palavra
as mãos que são o canto e são as armas.
E cravam-se no Tempo como farpas
as mãos que vês nas coisas transformadas.
Folhas que vão no vento: verdes harpas.
De mãos é cada flor cada cidade.
Ninguém pode vencer estas espadas:
nas tuas mãos começa a liberdade.

manuel alegre

um abraço, luizita!

Renata de Aragão Lopes disse...

Gostei muito de tudo que li!

Adicionarei seu blog
às delícias alheias
que acompanho e recomendo!

Um abraço,
Doce de Lira