terça-feira, 10 de maio de 2011

Livre para umas palavras*


(Lararirá - por Luiza Maciel Nogueira)




(livre
para umas palavras
tuas*)




*para ti se quiser ousar escrever

(mande para tainha21@hotmail.com 
ou deixe na caixa de comentário
que depois publicarei ao longo da semana)


Tenha um ótimo dia!





(Lararirá - por Luiza Maciel Nogueira)







12 comentários:

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

o desenho me deixou profundamente emocionado

Ana disse...

Vou te mandar por email. Bjs

Ana disse...

Vou te mandar por email. Bjs

Suzana Martins disse...

Nas asas canção sempre haverá uma melodia livre em sol maior num céu menor...

Beijos

Lara Amaral disse...

Meu canto avoado bate asas
No céu
desenhada em acordes
a liberdade que não posso
al(can)çar

(Lara Amaral)

Luiza Maciel Nogueira disse...

Ediney: obrigada, espero que a cor não diminua a emoção. Não sabia que desenhos tinham essa capacidade de emocionar, mas que bom que existem pessoas que se permitem a isso! :) Bjos

Luiza Maciel Nogueira disse...

Ana: recebi, que lindooo, ao longo da semana pblico flor, bjs.

Luiza Maciel Nogueira disse...

Suzana: que bom é ler palavras tão belas, bjs.

Luiza Maciel Nogueira disse...

Lara: fico feliz que aceite o desafio Lara. Sinto-me privilegiada de tamanhas palavras, seu canto é sempre de uma sensibilidade aguçadíssima e de tão belo voa pelos ares. Ao longo da semana publico, oks? beijos

MIRZE disse...

Luiza!

Desculpe não avisar antes, mas com o apagão de ontem não deu tempo. Há uma linda pintura sua em MEU LAMPEJO!

Se não permitir, eu tiro.

Beijos

Mirze

CARVALHO ( O ASTRONAUTA PERALTA ) disse...

Paulo Carvalho = 15h02 = 31/05/2011

Um menino...
Um sonho
Uma queda...
Diversos amores, ameaças...
Sonhos que se disfarçaram...
Um rapaz... Atroz talvez
Viu a vida veloz
E algoz ficou do tempo
Afinal
Tudo passa, não por vez
Não por querer, independente!!!
Na paz perene
Algo o fez aparecer...
Um Carvão...
Um Papel...
Uma semente, idéia...
E no papel um tropel
Uma, duas, três poesias
De menino a rapaz
O homem se fez
Capaz de amar, perdoar e aparecer
De se expor e nunca esmorecer
Nunca esteve a dois passos
Sempre correndo à frente...
Do carvão, um pequeno torrão
Fez-se um homem então.
Do lápis e papel, surgiu um homenzarrão
E tornou-se poeta de todo coração.
A poesia me tornou um cidadão.

CARVALHO ( O ASTRONAUTA PERALTA ) disse...

EU POR MIM

Paulo Carvalho
01/04/2011 22h24

Por que sou assim?
As vezes bom noutras omisso
Uma parte de mim reluz
Livre, solta, suave que seduz
Outra fere, magoa, maltrata

Recorro sempre às palavras
Ouro puro que salva, acalma
Beijo a boca da mulher que amo
Encontro em seu corpo meu recanto
Retomo minha vida todos os dias
Trabalho, luto e mato um Dragão a cada dia
Outra vez me questiono: vale à pena?

Cravo e protejo meu corpo debaixo d’água
Arremesso meus sonhos para cima e adiante
Recomponho-me sempre, forte e firme
Vivo um dia de cada vez
A cada dia vou me reinventando
Ligando pontos aqui e ali
Horizontes são as metas do meu caminho
Opção de ser é uma certeza

Deixo-me levar por coisas simples
O reflexo que olho no espelho

Não é meu rosto que ali se reflete
Aquele não sou eu, será?
Sinto que parte de mim é perdão
Como dói saber que a outra parte não
Independente de ser ou não real
Me pergunto: o que sou?
E real?
Neste espelho me exponho inteiro
Transcedo, Vivo lutando e vou além
O que sou me basta, e a quem amo também
Postado no blog ( O ASTRONAUTA PERALTA )