domingo, 22 de maio de 2011

Reverberar


(Mundo violão - por Luiza Maciel Nogueira)



no princípio era o fogo
depois de tantas transformações
o tempo já não pedia por pele
o desejo já não movia destinos
a esperança já não regava anseios
mas tudo em continuidade 
sempre dança em poesia, música e oração 
apesar de falsas premissas
ilusões ou verdades
o mundo se movimenta 
em ondas de sonhos a reverberar
dia e noite 
avessos de imensidão inconsciente
e toda luz é 
um ponto livre de interrogação
a dançar no universo

(sem explicação)





9 comentários:

Lara Amaral disse...

Essa sua arte que colore o uniVerso, faz dançar nossos olhos pelas cores.

Beijo.

Ianê Mello disse...

Arte em versos e luz. Bela sintonia! Parabéns, Luiza.
Bjs.

Sam disse...

vou colorir meus olhos e meu universo desses versos teus.
Beijos querida
Samara Bassi

Marcantonio disse...

Um violão flamejante nascer do dia.

Beijo.

Celso Mendes disse...

Reverberação poética e iluminada. E luz não se explica.

Muito bonito.

beijo.

Por que você faz poema? disse...

Na dança das interrogações,
nunca preciso de um par.

Laura disse...

beleza Lú a dúvida rege a busca de cada um.

bj

Cris de Souza disse...

arte violando o ser.

beijo!

Assis Freitas disse...

reverberou, vibrou, como no espanto original da chama,


beijo