Música!

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Rascunhos doridos de um outro dia



(Pequena - por Luiza Maciel Nogueira)






Debaixo da porta

tremem diante do nada
mal dizem os lábios
antes do dia nascer

ferem cometas
atiram na lua
(querem mais)
presos na noite
não trespassam
pontes
fincam os pés
como veneno
da terra

também já fui
raiz
sei ser mar
colho pedras
bebo veneno
para renascer
dissolvo pó

fora nada mais
despenca
minha fé no
(cheio-vazio)
mundo

(mudo)




Susto 


rubra 
feito contramão 
avenida coberta 
de sangue 
bala perdida 
no osso


‎()


ai vazio!
que não se preenche
nos entretantos
nem cicatriza
sua ferida
de tanto tanto
tempo
atrás...










(Fuga - por Luiza Maciel)



(sóis na língua
sopa de estrelas
peixes no céu)






8 comentários:

Lara Amaral disse...

Bom liberar o que dói.

Este último desenho é interessantíssimo.

Beijo.

dade amorim disse...

Adorei, Luiza. Poemas e desenhos são ótimos, e sempre é muito bom vir aqui.
Beijo grande.

MIRZE disse...

Ai Luiza!


Vou acabar doida com seus desenhos.

Lindos! e os poemas mais ainda!

Beijos, lindona!

Mirze

Fred Caju disse...

(sóis na língua
sopa de estrelas
peixes no céu)


Se fosse do Arnaldo Baptista, não pensaria em outra coisa se não fosse ácido lisérgico.

Assis Freitas disse...

esses rascunhos estão livres de correção: perfeição


beijo

Luiza Maciel Nogueira disse...

Fred eu não preciso de ácido para alucinar como você pode ver...rsrs. bjs

Antonio Carlos disse...

oi Luiza,
estou passando por aqui e confesso que adorei, gostei e gosto dos seus desenhos, e estes pequenos versos então, nem sei o que dizer, uma verdadeira poeta. Eu também desenhos, e escrevo cronicas, porque eu não tenho muito talento pra poesia. um abraço querida e que a criatividade sempre se renove aqui!

Vanessa Souza Moraes disse...

Essa pequena me encantou.