Música!

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Sem direção

I.Pimenta

ciclos regem a boca
carnuda
de passos largos
feito mistério
de pele em sopro
(sensação)
arde até o dente



II. Borboleta

céu
entre frestas de sol
asas e asas
sem chão
só água


III. Pingo

parte um pedaço
da minha inocência
sem lembranças : rubra
a palidez me encherga
branca
prefiro o silêncio
a qualquer
- desamor





11 comentários:

Marilia Kubota disse...

Oi! Estive por aqui! Bonita tua casa...beijo

Anônimo disse...

Luiza,
Belo conjunto forma este poema e a ilustração que o acompanha. Parabens!!

Beijo
Renato

Sandrio cândido. disse...

Luiza, versos belos
beijos

Lara Amaral disse...

Muito lindo, flor!

E amei os haicais da última postagem, levam-nos a uma viagem gostosa.

Beijo.

MIRZE disse...

LUIZA!

Versos de puríssima LUZ!

Beijos

Mirze

Jorge Pimenta disse...

exótica, aromática e com as cores da vida esta tua postagem.
beijos, luíza!

AC disse...

Um olhar circundante, ainda e sempre, com deslumbramento...

Beijo :)

Cris de Souza disse...

sentidamente belos!

" prefiro o silêncio
a qualquer desamor "

(esse verso me pegou)

beijo, lu-minosa.

Assis Freitas disse...

os haicais de inverno me aqueceram, e os sem direção me deram rotas,


beijo

Tania regina Contreiras disse...

Esse inverno é mesmo inspirador...Tenho amado a voz molhada das flores depois da chuva e cada poema tão belo, como esses versos seus!






































Lindo, lindo, lindo!!!

Elisa T. Campos disse...

Lindos haicais.
Sem direção: pimenta, asas e asas sem chão,silêncio a qualquer desamor.
Muito bom.