sábado, 20 de agosto de 2011

Muro de jasmins



os jasmins que deixei  
em cima do teu piano
amontoaram-se 
até virarem muro 
as flores acumularam-se  
em perfume e beleza, 
porém me é tão distante  
já não vejo tanto
pétalas, folhas, ramos 
já nem sei mais
qual raíz poderei regar
e se quero que cresça 
assim


9 comentários:

Daniela Delias disse...

Tão lindo!
Bjos!!!

Assis Freitas disse...

jasmins ao piano, sonatina


beijo

Ana disse...

Jasmins são tuas flores prediletas e as minhas também; bsj

MIRZE disse...

LUIZA!

Os jasmins são tão delicados como você!

Lindo poema!

Beijos

Mirze

Celso Mendes disse...

o que regar prioritariamente é sempre uma decisão difícil. a beleza nem sempre é o único critério a ser usado, não é?

muito belo!

beijos.

Sandrio cândido. disse...

Continua maravilhosa a tua escrita

Mima disse...

Snif... snif... triste...

eu também não sei mais. =(

Lindo poema! (Dá pra participar do aniversario do meu blog. Estou pedindo a todos os poetas que participem com um poema que contenha o nome de uma flor. Vai ser dia 29 desse mês e eu adoraria ter um poema teu. Bjo!)

dade amorim disse...

Me fez lembrar um caramanchão de jasmins que perfumava toda a minha casa da infãncia.
Beijo.

Jorge Pimenta disse...

porque a semente acaba por fazer desabrochar o seu destino em veredas, olores e encantos tantas vezes órfãs de quem a lançou à terra.
beijinho!