terça-feira, 16 de agosto de 2011

A plenitude das pétalas


brotam jasmins nos olhos
na dança dos orvalhos
em garoa cristalina

despe no peito seu aroma
em lágrimas de luz o toque
da essência dos sóis

derrama seu peito
na nascente do beijo
espera a semente florir

em cima da rocha
no encontro das ondas
enquanto o mar ainda

(amar)




3 comentários:

Mima disse...

Oh sim mar de amores. Que sejas o óleo a ungir amantes na mais pura delicadeza de amar. Que sejas a fonte poética dos olhos que te contemplam... Que sejas o envoltório do instante, o feliz instante de amar.

Lindo poema.

Ana disse...

lindo Lú! Cada vez mais lindos.

beijo

Rabisco disse...

O mar sempre há-de amar!

Lindo o teu poema!
=)

Beijinhos

http://rabiscosincertossaltoemceuaberto.blogspot.com/