Música!

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Sobre o toque da paisagem



ar frio
a rede na janela
segura a paisagem
embaçam os olhos
de suicídio
meu verso quer
se jogar só pra voar
entre o impossível
transformar-se 
em silêncio


abrir sóis em limbos
levar pássaros para orar
no ouvido dos homens
toda beleza do mundo
e então esperar
que uma nota chegue
ilesa e desperte
como semente no vento
de esperança


















(Doce Ipê - por Luiza Maciel Nogueira)


8 comentários:

Lara Amaral disse...

Ótimo poema! A primeira estrofe me pegou em cheio! Principalmente porque ontem pensei em versos de rede que balança presa ao precipício. Agora que li o seu, apesar de ser diferente, me deu vontade de desenvolver minha ideia.

Beijo, linda.

Celso Mendes disse...

que os versos voem em silêncio até os pássaros que os tragam de volta aos ouvidos dos homens.

e que a palavra continue semente.

muito belo, Luiza!

beijo.

lupuscanissignatus disse...

"levar pássaros para orar

no ouvido dos homens"



bendita

prece



*beijo*

Catia Bosso disse...

Que gostoso ler vc!!! Quanta suavidade!


bjs meus

MeandYou disse...

Que coisa mais linda sua poesia, Luiza!
Gostoso vir aqui.
bjs cariocas

Suzana Martins disse...

no canto dos pássaros, as flores rezam na esperança de despertar ilesa, sem qualquer ranhura!!

Beijos linda

Ana disse...

Lindo Lú! Amei essa árvore!

beijinho

Assis Freitas disse...

pássaros em prece de cores,


beijo