terça-feira, 16 de agosto de 2011

Todo poema



todo poema

sempre foi oferenda
à quem lê
por isso cede
dá-se os versos
a quem sonhar
poema
a quem sentir
palavra







8 comentários:

Luiza Maciel Nogueira disse...

todo poema
pertence aos olhos
de quem o beija

e assim se dá
o encontro
entre a palavra e os olhos
entre o beijo da palavra
entre a nudez
do poema
da palavra
dos olhos


(não aprendi ainda onde encaixar isso no poema se é um II o se é continuação, seilá...)

Ana disse...

Lú, uma oferenda feita com muito carinho essa. bj

Mima disse...

Toda poesia é livre.
Quem tiver olhos para ver, leia.
Quem não os tiver, oxalá ouça.

Linda palavra, Luiza!

Suzana Martins disse...

Todo poema é uma entrega, é uma regra de vida. Só não é mais regra porque as regras não são boas...

Os poemas são sentimentos escorrendo entre os dedos. Algumas lágrimas, milhares de sorrisos e muito da alma que não contenta em apenas ser, ela quer escrever...

Anônimo disse...

Lu,
achei muito bom ver esses poemas tão belos logo pela manhã. Obrigado pela inspiração para começar o dia!!

Beijos
Renato

Dario B. disse...

Pura verdade, é o poema a nos ler, a nos represar e inundar de nós mesmos. Um beijo.

Celso Mendes disse...

Lindo, Luiza! é bem assim mesmo. o autor compõe. cada leitor sente como quiser. o importante é sentir...

beijo.

Jorge Pimenta disse...

todo o poema sempre foi oferenda. haja olhos que o saibam desnudar.
beijos, poeta inteira!