sábado, 6 de agosto de 2011

um dia, quando for noite

um dia, quando for noite
me ausento do corpo
e sonho pra sempre
o mundo Van Gogh
de noites estreladas
cerejeiras em flor,
matagais azuis no mar
em sussurros de vendavais
e infinitos matizes
sem a crueldade
dos homens de coração
de gelo

Nenhum comentário: