sábado, 17 de setembro de 2011

Depois do poema



depois do poema 
o silêncio ora na superfície 
invade o véu da solidão 
as estrelas se devoram 
terra e semente se contém 
assim como o céu, não convém 
 o tempo anuncia sua pausa 
mas nada fica, tudo vai 


depois do poema 
a lágrima cai




8 comentários:

Gustavo disse...

leveza e profundidade,um pouco de dor e muito amor, que tocam a alma ao ler esse primor.
parabéns.

D.Everson disse...

gosto da sua poética, seus poemas são leves plumas =]

Sandrio cândido. disse...

Bem dizem que nós morremos a cada poema
abraços

Suzana Martins disse...

depois do poema fica em mim a saudade dos versos que repousaram no papel...

beijos

MIRZE disse...

AI LUIZA!

Chorei, viu?

É verdade. Tanta coisa acontece depois do poema.

Belíssimo!

Beijos

Mirze

Assis Freitas disse...

depois do poema: a grande interrogação



beijo

Dani disse...

Oi Lú, adorei o teu espaço cheio de arte e poesia. Beijoss

dade amorim disse...

E o que pode acontecer depois do poema, se não um nova realidade?
Beijo, Lu.