quarta-feira, 26 de outubro de 2011

A menina das lágrimas

(Pequena III)


a menina que segura lágrimas
verte água em luz, transforma-se em águia
deixa a gota cair e cuida para o sentimento fluir

a menina que segura lágrimas
sabe que a lágrima
um dia pode ser passarinho
a menina invisível que segura lágrimas
faz-se de sombra para enxergar a luz
brinca de esconde-esconde
e de repente se encontra

a menina das lágrimas
tem um pote de gotas d´agua
e quando a lágrima amadurece,
encontra seu repouso sob o céu,
quando chega a hora a menina abre a caixinha
e liberta a multidão dos pássaros
cada qual voa para um lugar diferente
ela tem saudade, mas saudade é uma coisa boa
que lembra que a gente ama alguém
e tem lembranças boas desse encontro
em outra caixinha que compõe a nossa vida

depois a menina das lágrimas 
cessa seu choro e diz
que é preciso voar alto e longe,
colher lágrimas com sorrisos
e cuidar do tempo de cada lágrima,
da música de cada gota
e principalmente do sonho
em cada esperança

poema para Manoel de Barros
que me ensina a sonhar mais alto


8 comentários:

Ana disse...

Também adoro o Manuel de Barros! Lindo poema Lú. Beijos.

AC disse...

As lágrimas são sementes...

Beijo :)

Tania regina Contreiras disse...

Ah, e a gente lembra mesmo dele nessa lágrima segura pela menina!
Beijos,

MIRZE disse...

LUIZA!

Um poema que contém a filosofia da vida presa na lágrima.


DIVINO!

Parabéns, doce poetiza.

Manuel merece.


Beijos

Mirze

dade amorim disse...

Uma linda homenagem, Luiza, em um lindo poema.
Beijo beijo.

MAILSON FURTADO disse...

E Manuel Barros sempre encantando por onde passa...

Anônimo disse...

Que lindo esse poema... revelando a beleza que há em nossos sentimentos!!
Parabens!!!
Bjos. Renato

Assis Freitas disse...

belo, belo e Barros voa


beijo