sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Poema sem título



Já não toco a porta
de quem não me quer dentro.

Já não caio em armadilhas
de lembranças sem perfume.

Eu não! Prefiro as nuvens
que o tempo leva...

Prefiro o gosto inventado
dos pássaros em seus vôos...

Não vês que eu já fui há tempos?
cansei, sorvo apenas gotas de sonhos...

Me deixa em paz!

9 comentários:

Ana disse...

Lú é muito bonito isso! Beijinho

Tania regina Contreiras disse...

Há um dia em que a gente aprende a escolher as portas abertas (eu pensei isso enquanto te lia! rs)...

Um belo poema sem título, Lu.
Beijos,

Celso Mendes disse...

Sem título mas com recado claro. E é isso, o que não deixou perfume nem vale lembrar. Gostei muito.

beijo.

Verso Aberto disse...

voos inventados vão mais longe

belo poema Luíza
abração

Jorge Pimenta disse...

ai, as mil e uma mortes [sortes?] do ser!!!
beijinho, querida luíza!

MIRZE disse...

NUNCA EU!

Você é meu anjo. Que lindo e triste esse poema!

Carinhos meus!

Mirze

Wilson Torres Nanini disse...

lembranças sem perfume, gosto inventado dos pássaros em seus vôos...

Maravilhassss!!!

seu poema todo poderia ser só um punhado de grandes imagens, mas é compacto de uma grande poeticidade.

abraços!

Assis Freitas disse...

eu também prefiro nuvens e pássaros, o voo, o etéreo



beijo

Analuz disse...

Por aqui, as nuvens cantam, os pássaros chovem... e a gente flutua!

Beijinho, moça poeta das imagens!