sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Prece para alargar horizontes mínimos


que o tempo não deixe pó no teu caminho 
e limpe os olhos do cansaço 
deixe apenas uma gota leve e branda 
para sonhar dentro de uma lágrima 
a imperfeição de um sorriso imenso
assim, nada é o que parece
tudo é tanto





7 comentários:

dade amorim disse...

Verdade, Luiza, "nada é o que parece / tudo é tanto".

Beijos.

Leonardo B. disse...

[o tanto, essa grande estrada que tão pouco nos atravessa,

e acontecendo, sempre é o que parece]

um imenso abraço, Luiza

Leonardo B.

Fred Caju disse...

"não fosse isso e era menos/ não fosse tanto e era quase" (Leminski)

Analuz disse...

tudo é tanto, tanto... que a gente vive se perdendo do essencial!

Beijinho com admiração, Luiza!

carmen silvia presotto disse...

Hehhehe vou roubar para mim, este poema é uma limpeza diária ao amanhecer... beijos linda, carinho sempre e seguimos.

tenho vindo menos pela Feira do livro e últimos lançamentos, mas tudo segue.

Bom final de semana a ti e todos teus amores,


Carmen.

MIRZE disse...

LINDO, Luiza!

Repito FRED CAJU.

Ele chegou antes de mim, mas concordo com ele.

Mil Beijos!

Mirze

Romeu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.