terça-feira, 22 de novembro de 2011

Sina



um som 
sob as retinas 
peço ao Sol:
ilumina a partitura 
e faça da ternura 
como meu clima 

que é de espera 
a minha sina



*

12 comentários:

Romeu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Celso Mendes disse...

sob as retinas a música de tuas palavras.

belo, belo...

beijo.

Ana disse...

Lú que lindo esse poema, você é uma das pessoas mais ternas que conheço. Pode ter certeza. Beijos.

dade amorim disse...

Delicado, quase triste, um poema terno e lindo.

Beijos, querida.

MIRZE disse...

LINDO, LUIZA!

Que coisa mágica e bela.

Beijos

Mirze

Vanessa Souza Moraes disse...

Li hoje uma carta da Clarice L. em que ela diz detestar as esperas...

Vieira Calado disse...

;)

Beijinho.

Assis Freitas disse...

a sina do quase estar,


beijo

Tania regina Contreiras disse...

Como Penélope, Luiza, como todas as Penélopes que somos...
Beijos,

Fred Caju disse...

Sua sonoridade anda tão em alta. Combina com você.

Sam disse...

A minha também!

Espero-me, em mim.

Beijo Lu.

Jorge Pimenta disse...

a.sina - os silêncios demorados, quase espera.
belo!