segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Na era do excesso

na era do excesso
o silêncio, o simples,
o vazio, o mínimo,
o pequeno infinito
é precioso

11 comentários:

Fred Caju disse...

apenas o mínimo
em matéria de máximo


p. leminski

marlene edir severino disse...

E o poeta necessita
do vazio,
do silêncio
na busca da palavra

Afetuoso abraço!

dade amorim disse...

Precioso e indispensável, Lu.

Deixeium desenho teu lá no Inscrições.

Beijo beijo.

Leonardo B. disse...

[como a pedra,

preciosa
que se guarda por melhor companheiro de qualquer palavra,
essencial.]

um imenso abraço,

Lb

carmen silvia presotto disse...

O pequeno se faz intenso em poesia e como nos faz falta este ser simples, essencial, vital...

Beijos Luiza e boa semana.

Carmen.

Celso Mendes disse...

os pequenos infinitos do mínimo existir são os mais preciosos que temos.

adorei isso, Luiza!


beijo.

Tania regina Contreiras disse...

Verdade, Lu...Já evoquei certa vez, poeticamente, o deus dos ínfimos, das coisas pequenas, das partículas, porque o imagino grandioso, pois só os grandes descobrem as pequenas preciosidades.

Beiinhos

Vanessa Souza Moraes disse...

Do menos que é mais.

Assis Freitas disse...

na medida exata,


beijo

Wilson Torres Nanini disse...

Eu estou buscando isso há muito!

Depuração ao máximo!

Abraços!

Noslen ed azuos disse...

estas meninas , fadinhas é seu auto retrato... é que percebo sempre a mesma forma, silhueta... cuirosidades rsrs

rs