quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Pequenos infinitos

ínfima gota
sorve infinitos
na ponta dos lábios
cálidos
enquanto resguarda
uma nota íntima
que se multiplica
na interpérie
do silêncio

(dizia uma voz:
- assim a música nasce)

com alegria estive aqui:
http://casadepalavras.blogspot.com/2011/12/o-coracao-esse.html



15 comentários:

Assis Freitas disse...

nasce a música no assovio da brisa,


beijo

AC disse...

Haja sensibilidade para sentir a delicadeza de cada coisa ínfima, e o silêncio ganha novos contornos.

Beijo :)

MIRZE disse...

LUIZA!

Linda gota musical!

Linda, sua sensibilidade!


Beijos

Mirze

Luiza Maciel Nogueira disse...

Assis, com teu comentário quase que eu desenho um vento no meio dos pássaros, daquele jeito que gosto em azul. :) beijo. (na verdade eu tentei desenhar o vento, mas não gostei do resultado e deu preguiça de fazer de novo, mas teu comentário acrescentou azuis aqui na minha cabeça)

AC: sensibilidade de quem lê :). beijo

Mirze: cara Mirze, você é linda, tua poesia é linda e fico feliz que tenha gostado. beijo

Tania regina Contreiras disse...

Lu, trouxeste a gênese da música, na tua visão poética, e eu amei!

Beijos,
Tânia

Luiza Maciel Nogueira disse...

Tania: obrigada Tania, diz aquela voz lá que as vezes sussurra. quem sabe o Assis nao está certo: é a brisa!, :) beijo

PINTURAS AC disse...

As gotas da chuva dançam entre si, e se perdem. Mas no final viram um grande ribeirão. Gostei da sua poesia e do desenho, parabéns! Abraços

Joelma B. disse...

teu pequeno infinito é de uma sensibilidade, menina! Belíssimo!

Beijinho, Luiza!

Celso Mendes disse...

hpa infinitos dentro de cada infinito, cada um com seu silêncio, com seu canto, com sua palavra, com seus segredos.

Belíssimos; texto e imagem.

beijos.

Leonardo B. disse...

[silêncio a silêncio,
lavrado palavra,

construído o principio do infinito,
desenha-se a melodia, o dia que
acontece]

um imenso abraço, Amiga Luiza

Leonardo B.

Fred Caju disse...

Voz sábia e sóbria.

dade amorim disse...

Sensível e bonito, teu poema e seus pequenos infinitos.

Beijo beijo.

Jorge Pimenta disse...

assim se percebe por que a [boa] música é a arte perfeita!
beijinho, luíza!

D.Everson disse...

ultra-poético

Cris de Souza disse...

Que beleza de arte!