quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Queda

um corpo cai
outro lhe arrebenta
em poucos segundos
o equilíbrio se altera
e a fúria dos dias
vão e vem
em atmosfera,
cais e perfume
quando ainda
é vento
em caos, na íris
do tempo

10 comentários:

Ana disse...

Adorei Lú, muito bonito o movimento dos cabelos. Bjinho

Tania regina Contreiras disse...

Lindo, Lu...Fiquei pensando em cabelos esvoaçantes na hora das quedas inevitáveis e tão esperadas, porque perder o equilíbrio é o começo de um...voo!

Beijos,

Sílvia Nascimento disse...

muito imagético seu poema... e lindo seu desenho.
bj

Verso Aberto disse...

o tempo derruba os corpos, em fúria
o tempo eleva almas, em penúria

belo poema
abração

Celso Mendes disse...

vento, caos, perfume, imagem e poesia.

lindo, Luiza!

beijo.

Fred Caju disse...

De muito bom gosto!

Vanessa Carvalho disse...

Bonito poema.

Flores.

MIRZE disse...

Pura magia em versos? Então são de Luiza!

Belíssimo!

Beijos

Mirze

Maria Selma disse...

Visitando este espaço e já estou seguindo
Lindo...
Beijos de luz

Toninhobira disse...

Na magia do tempo a vida em dois tempos,pelas quedas cria-se a energia,como um rio.Belo poema Luiza.Abraços.