Música!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

dentro da poesia


(foto editada - Luiza Maciel)


entreguei ao nada
a última pedra
que apodrecia no peito
entre mil vãos
dentro da poesia
tinha certeza
que ela sobreviveria infinda,
mas deixou apenas
um broto de pedra
pequenina em algum lugar
de mim




a morada da poesia?
o oco da viola
do coração
o vazio no azul
a bailar na ventania
o pó entre os dedos
dos pés
um sorriso inocente
aquela folha solitária
no ar
ou entre a multidão
nos olhos ela nasce
e cresce
um dia ela morre?
ou acenderá sua luz?
quando tudo desaba
lembro do pó
nos dedos dos pés
acho que eles cantam





*

4 comentários:

Assis Freitas disse...

entregar-se ao nada é fazer morada na poesia,

beijo

Samara Bassi disse...

Amigos, o meu blog "A Pequena Notável .poesia do cotidiano." foi alterado para o endereço abaixo:

http://samarabassi.blogspot.com/

Peço que atualizem e agradeço.
Meu abraço,
Sam

Anônimo disse...

belo poema cara Luiza.

Jorge Pimenta disse...

o pó nos dedos dos pés é canção de entoar mimeses e urgências. mesmo quando tudo o mais [nos] desaba.
beijo, amiga!