domingo, 26 de fevereiro de 2012

Fenda


teu corpo abriga minha pele
teu seio sugere um esboço
tua alma se encaixa na minha
teus olhos é como voltar pra dentro de ti
e recordar anseios perdidos ao vento
passa teus lábios no meu
tempo

tua pele terna esperança
que dança no mar
e os peixes oram para ti
nadam...

nada convoca o silêncio
beijo o tempo

5 comentários:

Lara Amaral disse...

Poema e tela em linda sintonia. Lindos demais, querida!

Beijo.

Noslen ed azuos disse...

Olá desculpa eu fui traído pelo esquecimento, ñ fica magoada comigo!

Luiza as fotografias que eu tiro é do momento, eu tenho uma visão fotográfica, sempre uso da imaginação e quase sempre sou premiado com boas fotos, fico completamente frustrado quando vejo uma imagem e estou sem a minha câmara em mãos rsrs, muitas vezes a foto sai de primeira e outras fico procurando uma luz (do Sol ou da alma) para melhor captá-la e fico muito feliz quando percebo que aquele momento é um presente de Deus Natureza rsrs, deve ser a mesma sensação que vc tem quando faz seus maravilhosos desenhos.

E este que agora vejo é muito lindo e com um belo poema,o desenho é delicado, um convite para o amor rsrs, gostei do fundo com gotas, uma das gotas até deu uma caracterizada na moça,
olhos e nádegas, já tinha percebido ?

é sempre uma alegria te ver lá no meu blog, espero que meus esquecimentos ñ te afaste dele!

bjs
ns

dade amorim disse...

Tão bonito, o poema, e sempre completado devidamente pela imagem que você cria, sempre perfeita, sempre uma harmonia com teu texto.

Beijo grande, Lu.

Celso Mendes disse...

cada fenda esconde um universo: este é delicado e belo. com o complemento da imagem então, uma jóia rara.

beijo, Luiza.

byTONHO disse...



Este é feito com água...

Fenda, fresta,
infesta de festa minha alma!

:o)