Música!

sexta-feira, 30 de março de 2012

A cada dia morro um pouco mais


a cada dia morro um tanto mais
e o sangue se derrama
lento se espalha pela rua

a cada dia morro um tanto mais
choro por dentro
as paisagens do esquecimento



quarta-feira, 28 de março de 2012

Hai-kai Millôr


Millôr chegou sua vez
corre para a luz
ou perde sua vez


*uma pequena homenagem ao mestre da atualidade do desenho, do humor e da poesia que ontem se encontrou com a morte

terça-feira, 20 de março de 2012

Recomeçar

os silêncios mudam
alteram de órbitas seus eixos

primeiro abri espaço para escutar
a sinfonia mais bela depois de ti

o silêncio do repente das danças
é, tudo dança na valsa do esquecimento

agora concebo espaço
para a vida dançar em mim

sem precisar de chave
para tocar meu vazio

(cansaço)


cansei de falar com as paredes
abre alas mudez
faz de mim silêncio

segunda-feira, 19 de março de 2012

Vão sob pedra

acordes compunham segredos
rebelados em canções de amor

beijos de lágrimas em esboços de sol
notas teciam o oco espaço sem abraço

o desejo era a música rascunhada de paraíso
sob destino do pranto, no arrepio das lembranças

a memória era estrada
rumo ao quase sonho, miragem

qualquer palavra seria insuficiente
para expressar o vão,
o tempo que carregava dentro de si


domingo, 18 de março de 2012

Haicais da madrugada vivaz


cometas silenciam
os bailes da noite
em revoluções de amor

noite longa, madrugada vivaz
a escuridão do azul
cobre o céu de sonhos

a imensidão desse instante
tem a intensidade do amor
da ternura e da beleza


quarta-feira, 14 de março de 2012

Haicais urgentes

mistérios do ínfimo
percorrem o agora
recheados de adeus

amanhã é tarde
hoje a poesia é, a música é, a vida é
amanhã é tarde

domingo, 11 de março de 2012

Haicais para sorrir mais


sorria e mal sabia
da nudez de seus olhos
quando tocavam os meus

sorria paraísos inacabados
em romances inesperados
em comédias exorbitantes

sorria os sóis do corpo
a terra em gestação
na dança livre dos vendavais

sorria a ironia do amor
enquanto escutava os sussurros
da floresta

sorria em chuva e poesia
em pores de sóis e anoiteceres
em música e amores

sorria e seu sorriso era a porta
do céu, dos sonhos, das asas,
do delírio, do prazer, do mundo

sorria na profundidade do encontro
e enquanto a vida pulsava em seus olhos
o dia invadia a noite

sábado, 10 de março de 2012

Noite em lume


noite em lume e o coração canta
pulsa na batida do tempo

a paz que mora em entretantos
derrama silente sob a pele

lábios no corpo e o som da noite
nenhuma lágrima é maior que teu sorriso

madrugada e as almas dançam
sob o silêncio das estrelas



terça-feira, 6 de março de 2012

Alguém esbarra em mim...

alguém esbarra em mim
como quem procura contato
como quem se comunica
com sede ou fome de afeto

alguém esbarra em mim
na pressa caótica do cotidiano
não perco tempo, não paro, não ouço,
só a rua, os motores dos carros, o trânsito
são a prece da cidade na hora do rush

a ironia é branca
como a minha face pálida
o passado morre sempre,
mas vive sabe-se lá porque,
teima em ser lembrança
o que parece eternidade

alguém esbarra em mim
nesse dia turvo, sem fim

também estive junto a um grande haicaísta, aqui:
http://haicaienaomachuca.blogspot.com/2012/03/pelo-risco-de-luiza-maciel-nogueira.html




Teus olhos são feitos de poesia...

teus olhos são feitos de poesia
tua pele é música por dentro

teus vestígios que já não surgem
nem anseiam meu abraço

refletem na água:
a lágrima, o tempo...


segunda-feira, 5 de março de 2012

Eu que queria...

eu que queria plantar sementes na tua barriga
para nascer árvores e pousar pássaros
criar raízes, flores, frutos
para criar uma floresta na pele
que seja íntima e tenha uma cachoeira,
montanhas, Villa-Lobos: a música do matagal
como paraíso
eu que queria desenhar nos teus olhos
o brilho das estrelas, o lume dos vendavais,
o silêncio dos desertos, das flores, do tempo,
a revolta das marés, o fogo dos vulcões,
a revoada dos tucanos na estrada
e a dança das coisas
eu que queria lhe sussurrar nos ouvidos
a orquestra dos sapos, dos grilos, da noite
a música dos sorrisos das crianças,
a oração dos pássaros,
a prece das flores, o canto das chuvas,
o som de todos os ventos
e a infinita nota de cada presente

eu que adoro tua faculdade
de ser morada de sonho em mim...


domingo, 4 de março de 2012

Tenho em mim um início de chuva...

tenho em mim um início de chuva
que brota quando sopram vestígios
revoadas impossíveis que cessam
quando a luz deixou de ser lembrança

tenho a qualidade de ser tempo
espera em flor, atemporal
quando a lua me fita
me faço escuridão para ser
invisível, sem qualquer ausencia
que se faça saudade

tenho um jeito ambíguo
de lhe dizer que finda, que chega,
que basta e apesar da chuva
ainda me nascem sóis
por causa de ti...

sexta-feira, 2 de março de 2012

Um haicai para Assis Freitas


inunda de poesia a rua
da pele o mar enchente
rebola no poente

referente ao poeta e à poesia:
http://mileumpoemas.blogspot.com/2012/03/876-noturno-de-aparicao-para-senhora.html

quinta-feira, 1 de março de 2012

Veja com seus próprios olhos


"veja com seus próprios olhos"
dizia um bruxo na beira do precipício
e essa frase ecoava durante toda eternidade
nos meus pobres ouvidos
enquanto observava pessoas
indo e vindo como máquinas
sem sentir poesia, sem sentir amor