quinta-feira, 26 de abril de 2012

sexta-feira, 20 de abril de 2012

quinta-feira, 19 de abril de 2012

meu verso se encaixa nos teus olhos...


meu verso se encaixa nos teus olhos
tão bonito é o paraíso que mora lá
agora vi: paraíso de pedra e mar

tanto se despe na íris do tempo
tanto se guarda nos mares e ondas
tanta enchente, gota, nuvem

tanto céu, semente, vida
quanta riqueza,
minha ilha perdida...

quarta-feira, 18 de abril de 2012

quando o poente beija a terra


quando o poente beija a terra
e os olhos embalam amores idos...

quando a luz faz ferida no ventre
e qualquer desamor é afinal amado...

quando um sorriso jaz na face
e a esperança dança nos olhos...

quando a música é prece
no vento que sopra...

quando cada instante é novidade
e o tempo oferece sua face...

quando o silêncio é porta
para transportar saudade

(novamente o repente ensina
a verdade íntima
das coisas sem adeus)

terça-feira, 17 de abril de 2012

Quando o silêncio consome as palavras



quando o silêncio consome as palavras
e a boca sede espaço para o nada
como se a verdade fosse feita de nuvem
que esvoaça aos sete ventos
e é desejo de um corpo
que dance sob a pele para sentir que vibra
e vale cada respiração
mas por vezes é preciso dizer adeus
enternecer um sorriso
de "até sempre meu amor"
esse amor que não existe
mas que se inventa
em cada ínfimo do teu corpo


sábado, 14 de abril de 2012

Flor do silêncio


no mistério do indizível
rumo ao infinito
o ínfimo nos espera

evoca a sinfonia
do silêncio a brotar poesia
continuamente

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Lar sombrio

o toque sombrio
das esferas em brio
do mundo vadio

as grades dos olhos
o limite da vida
a cicatriz na ferida

a cruel certeza
a singeleza da ternura
ironia tua

o lar das grades
sem perspectiva de viagem
quase sem amor

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Gaiola

gaiola sob gaiola
fogem as asas das costas

o homem só quer
um espaço para morar

se abrem as janelas
ele grita de dor

se abrem as portas
enlouquece

não nos programam
para ampliar os horizontes

nos programam
para repetir o mesmo caminho

e nunca encontrar
a porta





terça-feira, 10 de abril de 2012

Contigo

no canto dos pássaros
no sopro do vento
na sinfonia do silêncio
no sorriso, na lágrima, no beijo
na pele, no corpo, nos poros
o amor, a música, a poesia
tudo reside no todo
moro em todos os lugares
em cada ínfimo do mundo
e até onde não me encontras
habito em segredo
tua alma

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Raio de sol


raio de sol
em lua cheia
a distância da luz
abençoa a noite
e tudo é beijo
de escuridão
profunda


*

segunda-feira, 2 de abril de 2012