segunda-feira, 28 de maio de 2012

Para engrandecer ínfimos

para engrandecer ínfimos
pouso os ouvidos no silêncio
escuto notas revolvidas de esperas
um toque quase infinito
por ser tão bela embora grite
a esperança que nasce
é limite da imperfeição


12 comentários:

Noslen ed azuos disse...

pouso os ouvidos no silêncio...

belo!
ns

Cristiano Marcell disse...

"a esperança que nasce
é limite da imperfeição"

Muitíssimo bom!

CamilaSB disse...

«imperfeição» não vejo aqui
o que vejo é beleza e arte! Beijinho!

Assis Freitas disse...

a moça com cello, e os ínfimos que se elevam em grandiosidade, belo



beijo

Adriana Aleixo disse...

Lindo! Lindo! Lulu linda...

Luiza Maciel Nogueira disse...

Camila - não que isto seja arte, mas a arte é criada de imperfeições _ e quem disse que a imperfeição não é bela? Já dizia um grande poeta - cujo nome esqueci , me perdoem a memória de ervilha podre.

Grande beijo!

Samara Bassi disse...

uma beleza dessa, merece ser tocada, muito além das notas de um violino, de um acorde de versos. Uma perfeição nas suas imperfeitas formas.

Lindo, Lu.
Meu beijo,
Sam

byTONHO disse...



Eu vi o li no...
O vi o lão, não!
O Baixo ou Violo.tchê.lo,
iluminaram o toque de LUZ.ia!
Ops LUiZa!

Beij♥!

:o)

Cris de Souza disse...

a moça do violoncello tocou um belo poema.


beijo, luluzinha!

Jorge Pimenta disse...

há sempre uma luz a engrandecer o que os olhos não veem, mas temem: pequenas imperfeições colecionando infinitos.

beijo, luizita!

Fred Caju disse...

Imperfeição tem limite?

LauraAlberto disse...

belo poema tocado

beijo