quarta-feira, 20 de junho de 2012

Sobre algum silêncio XII


pudera ser ponte
e a realidade
não era um muro
impossível de pisar
pudera ser silêncio
e o tempo
não seria grito
a doer ouvidos
errantes
prestes a perder
sons


*

17 comentários:

Assis Freitas disse...

sempre tão bela,


beijo

AC disse...

Pontes, precisam-se, moldadas na linguagem sábia de certos silêncios...
Muito bom!

Beijo :)

Cristiano Marcell disse...

Pasmo, ofereço como comentário o meu silêncio. O mesmo enaltecido em seus versos! Parabéns!

Noslen ed azuos disse...

perfeita composição, adorei a poesia!

bjs
ns

marlene edir severino disse...

Silenciei

E te ouvi daqui

Beijo, Luiza

Mirze Albuquerque disse...

Lindo, Luiza!

Poder e querer, tão distantes e você os aproxima num sopro poético.

Beijos

Mirze

Bípede Falante disse...

Desenho riquíssimo e vibrante com palavras profundas e simples.
Perfeito.
Adorei :)
Beijoss

LauraAlberto disse...

a ponte que liga duas margens distintas e diferentes, não aparta, junta

e lá em baixo o rio

beijo

Renato disse...

Linda combinação. Parabens!!

Renato disse...

Linda combinação. Parabens!!

Renato disse...

Linda combinação. Parabens!!

Jorge Pimenta disse...

nem toda a ponte aproxima do mesmo modo que nem todo o silêncio aparta.

belíssimo e delicado, como só tu, luizita!

beijos!

Adriana Aleixo disse...

Belo, belo! Beijinho.

Fred Caju disse...

O que falar? Melhor silenciar.

AnaClarissa disse...

Eu também me calo para escutar, paro para ver a ponte...

Beijinho!

Domingos Barroso disse...

todo silêncio de uma bela alma
encanta e oferece frutos
do pé
...


beijo carinhoso.

Cris de Souza disse...

pudera ser som pra saltar o silêncio.