segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Um oceano

eu não sabia fazer do silêncio
um oceano
suportar o desprezo das coisas
sem perdão
então cantei um pedaço de mim
em troca recebi minha própria voz
rouca de tanto silêncio

(Luiza Maciel Nogueira)

14 comentários:

Primeira Pessoa disse...

a voz rouca de tando silêncio.
o que me fez lembrar de ter escutado "silêncio ensurdecedor" numa canção de Vital Lima e hermínio belo de carvalho.
aí fui reescutar a canção...
e era outra coisa (rs)... era "silêncio enlouquecedor.

é esta canção aqui, ó:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=Id4hec8C3gc


espero que goste.

beijão do

r.

Primeira Pessoa disse...

"tanto silêncio", ali em riba.

Assis Freitas disse...

este teu silêncio canta tão afinado,


beijo

Joelma B. disse...

o silêncio é um mar aberto e a gente no meio

linda tua arte!

Beijinho, Luiza!

Cristiano Marcell disse...

Belíssimo!

Essa rouquidão passará e o canto virá cada vez mais forte e mavioso!

Muita paz!

Bípede Falante disse...

voz rouca
vou louca
voz solta
feito as ideias
as cores
e as linhas harmoniosas
de tão bonita menina

beijoss

Sílc disse...

Tua casa é lindíssima. Estou a passear por ela. Obrigada por tamanho encanto.
com carinho,
Sílvia

Thuan Carvalho disse...

Deixamos a voz interior tão calada que às vezes ela nos sai rouca.

muito bom.

Tania regina Contreiras disse...

Receber a própria voz é um presente inestimável. Ainda procure pela minha. Bela arte também, Lu!
beijos,

Marcelo R. Rezende disse...

Incrível.
A gente sente tudo vindo das palavras e da imagem.

Beijo!

Leonardo B. disse...


[tanto
do tanto mar sem fim,

a onda em silêncio.]

um imenso abraço, Amiga Luiza

Leonardo B.

D.Everson disse...

o poema é: LINDO! e a ilustração TAMBÉM!

Daniela Delias disse...

Silêncio afinado com as palavras, Lu.

Mil beijos

:)

LauraAlberto disse...

e como ele umas vezes cura
e tantas outras faz doer

beijo