quarta-feira, 31 de julho de 2013

Dentro da poesia

dentro da poesia 
lá no interior do verso
jaz a essência da luz em suspensão
na intenção de quem escreve
e também nos olhos de quem lê
do encontro entre poeta e leitor
dos sons das vidas em união
jaz na estrada nos olhos 
a ternura, a entrega, a poesia
também os muros, também as pontes
também as sombras, também as mortes
jaz silêncio, jaz sonho, jaz semente
e jaz também amor
amor pouco, mas amor



6 comentários:

Mar Arável disse...

No interior das palavras

por vezes respiramos por guelras

Marcelo R. Rezende disse...

Sensacional, Luiza.

Assis Freitas disse...

dentro da poesia
este tanto
ou quase nada



beijo

jorge pimenta disse...

o silêncio em prece para poema maior de existires mínimos - versos de luz sempre por aqui, luíza!

beijos!

J.F. de Souza disse...

dentro
de toda aquela
poesia
se fazia
amor

Fred Caju disse...

Muito ou pouco, basta ter. Ou talvez, ser.