Música!

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Poema plenamente ridículo



a porta bateu na minha cara
bateram a porta na minha cara
e depois fingem que não, que foi engano
que foi sem querer, querendo
na minha cara de pessoa tão tristemente feliz
bateram a porta
e depois depois depois ainda fingem que não
mas eu muito bela, tão lindamente bela 
tão belamente ridícula
devo ter cara de porta





*

3 comentários:

Assis Freitas disse...

belamente bela
portais são os teus versos
nos transportam

beijo

Tania regina Contreiras disse...


Só te vejo plural agora. Vós. E ainda assim...singular!

Beijos,

Fred Caju disse...

Altamente bom de ficar relendo.